Google+

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

a arte do tédio

    Algumas pessoas me perguntaram sobre o que eu achei daquele beijo gay que aconteceu na última novela. Sei lá, eu vi, eu comentei com amigos, eu torci para que ocorresse, mas sinceramente, aquilo foi entediante, foi pouco, foi broxante, foi "argh, que preguiça, meu deus". 
    Alguém aqui já assistiu àquele filme "Ninfomaníaca"? Eu assisti no começo do mês em um cinema alternativo de BH, chama-se Cine Belas Artes. Ele fica próximo à praça da liberdade, fora de shopping, e as salas são menores, mas não pecam (muito) em qualidade. Fui apresentado a este lugar por um amigo que já esteve por lá, e minhas impressões foram bastante positivas sobre o lugar. Ele é uma mistura de café e bar, e ainda possui exposições artísticas. Talvez por esse ar alternativo, o que senti era que a grande maioria do público local era composta de pessoas de look alternativo (não necessariamente gays, mas com um número elevado de gays) e de casais de mais idade. 
    Na sala, um cara de dreads sentou-se na minha frente, e sua cabeleira, cultivada com bastante adubo por muitos anos, ficou a tampar minha visão, de modo a fazer com que eu tivesse que inclinar o pescoço levemente para ver a tela sem interferências. 
Apesar da pólo e do cara de dreads, a experiência foi ótima, e o filme, uma obra prima. Para quem ainda não ouviu falar, ou para quem não viu, procure ver. Se trata de uma abordagem poética e com toques científicos muito bem embasados sobre o vício em sexo. 
    Infelizmente, e ironicamente no cinema hipster, eu assisti à versão censurada. Esta versão corta a exibição de pênis duros inteiros, mas mesmo assim existe muita fartura de falos ao longo do filme. Não se deixem levar pelo julgamento de ser mais um filme pornô com uma história fraca, pois não é. A poesia com que o filme trata a presença e a importância do sexo na vida de uma pessoa é sem igual, mesmo sendo pela pele de uma mulher ninfomaníaca. 
    Muitos tabus sexuais são explorados ali, e uma das coisas mais interessantes que achei é como alguns desses tabus, e a culpa que a personagem sente por eles, são aliviados por observações de fundo científico e impessoal de uma outra personagem.
    Esse filme contrasta brilhantemente com a audiência que o beijinho inocente da novela causou. Enquanto o beijo foi assunto para essa gente castrada sexualmente e culturalmente, existe arte de tamanho inimaginável que explora tabus muito mais profundamente, de forma criativa e sem cliché, e sem medo de exibir o que realmente pode te fazer pensar por perspectivas novas e sobre novos assuntos. Imagino que esse povo da novela, que fica tão impressionado com uma cena conservadora e entediante, não sabe o que está perdendo.
    Deixe a população com as Helenas de Manoel Carlos, e com essa coisa entediante que corrói o cérebro sem apresentar nunca nada de novo ou ousado. O mundo nos oferece mais, e temos o privilégio de poder desfrutar de tudo o que ele nos dá (exceto drogas, gente, drogas não são de deus. Bom, algumas são).
Um grande abç, 
N.B.
-----------------------------------------------------------------------------------------
(Legendas disponíveis)



5 comentários:

  1. Eu entendo você e todos os demais que compartilham da mesma opinião. Também achei o beijo fraco, porém válido. Bom, foi o primeiro exibido no horário. Os outros que já haviam acontecido antes na televisão não contam por uma série de motivos. Enfim, sabemos que era preciso dar uma suavizada, senão sequer seria exibido. O que importa no fim das contas foi que uma boa parte gostou e até torceu (ainda há esperanças). Claro que no contexto da novela alguns gostaram porque era uma família bonitinha, com filhos e foi só uma vez no último episódio. Se colocassem um gay de outra forma é bem possível que não tivesse toda essa aprovação, mesmo que, como eu presumo, um pouco mais da metade ter achado um horror.

    E é bem dessa mesmo. Nós ou outros que já têm a cabeça mais aberta e já encaramos numa boa o que eu vou chamar de tabus "leves", já estamos prontos para algo a mais e queremos isso. Novas visões, novos debates, tudo o que transcende. Porém, infelizmente, a maioria não. Então, eu diria que vai levar um bom tempo para haja uma mudança nesse sentido.

    Não vi o filme ainda apesar de já ter pensado em ver. Quem sabe numa hora livre.

    Abs.

    ResponderExcluir
  2. ****BASEADO EM FATOS REAIS****

    Estava eu assistindo um filme educativo no équisvíreos... e num determinando momento daquela troca de saliências entre indivíduos do mesmo sexo o ser "recebedor" exala um gás tóxico na face do ser que ativamente atua na relação, e este por sua vez proclama "que peido gostoso, cara!".

    NOJO. NOJO. NOJO.
    Porde N.Barnaldo?

    Nunca mais entro no xvideos e já estou pensando até em virar hétero. Alguém tem sugestão de um site com conteúdo pragmático similar?

    ResponderExcluir
  3. Deu muita inveja de vc agora ,no dia que fui assistir Ninfomaníaca as salas já estavam lotadas, vixe que raiva. Quanto ao beijo achei fofo e romântico não esperava algo além daquilo para um primeiro beijo de uma novela das 9 da globo. Acredito que o o mais importante já foi feito o Brasil torceu para um casal gay colocando em status de protagonistas pedindo ardentemente por isso, essa mudança de mentalidades chegou a ser mais importante do que o beijo em si. Vi pessoas extremamente homofóbicas torcendo pelo beijo e falando que começou a mudar de opinião sobre relações homoafetiva, esse beijo foi mais importante do que parece ter sido. Imagine um menino gay ,pobre do interior onde ele e sua família não tem acesso a mesma quantidades de livros,filmes, teatro e seriados tendo a oportunidade de perceber que a homossexualidade é perfeitamente normal e melhor ainda sua família pode debater sobre isso. A tv sempre teve importante papel na sociedade incluindo mudanças de mentalidades com essa inclusão acredito que nossas vidas ficará mais fácil. Ass: carlos

    ResponderExcluir
  4. Logo que rolou essa questão da expectativa e,enfim, da cena do beijo gay na novela, a primeira coisa que me veio à cabeça foi: "Será que o N.B. vai escrever um texto sobre isso?". Então comecei a checar todos os dias se havia um novo post, mas fiquei atarefado com o trabalho e só fui ver o texto hoje.
    Pois bem. Concordo plenamente com você, pois há alguns dias atrás eu estava fazendo uma reflexão (e até me achei um pouco "burguesão" demais por isso) sobre como eu não assisto mais TV aberta em nenhum momento. Eu acho que faz pelo menos um dois meses que eu não coloco a TV nos canais abertos. As únicas coisas que sei sobre o que se passa lá é pela internet. Isso tudo porque tem tanta coisa interessante nos canais pagos, na internet, no cinema, no teatro ... que nem me lembro de que a Globo e companhia existem.
    Não que eu ache que assistir a novelas e etc. o fim do mundo, mas como você disse há tantas coisas interessantes e tão avançadas culturalmente, sem as amarras que nossa sociedade impõe, que assistir a um capítulo de novela se torna algo banal.
    Até mais and keep writing!

    ResponderExcluir
  5. Por mais que a gente saiba que TV aberta é uma porcaria, e que existe coisa 100% melhor do que novela, eu achei bacana a Globo finalmente ter liberado o beijo gay, por mais "sem sal" que ele tenha sido. Não acompanhei "Amor à Vida", apenas o primeiro capítulo e "flashes" próximos ao fim, mas muito se falava do Félix, o primeiro "vilão" gay. Era uma personagem diferente: nem gay-escandaloso, nem gay-certinho; nem gay-me-visto-de-mulher, nem gay-quero-ter-meu-filho. E talvez por isso, junto com a boa atuação de Solano, cativou o público e o fez como real protagonista. Era mais do que justo que Félix tivesse um "... e viveram felizes para sempre.".

    É claro que a mídia fez a festa, "marketing" criado pela própria emissora. Mas por pior que isso seja, a realidade é que a Globo (ou a TV aberta) atinge uma enorme quantidade de pessoas, algumas até sem acesso "fácil" a conteúdos de melhor qualidade. E ter um beijo gay, alcançando esses números grandes, é sim um passo a frente. Mostrar aos poucos (principalmente pra quem tem dificuldade de entender) que somos sim todos iguais.

    Estou curioso pra ver "Ninfomaníaca", mas vou pelo caminho mais prático (esperar sair on-line, cof, cof, cof!). Vi críticas positivas sobre o filme, e o próprio trailer (e inúmeros teasers) mostra que o materia é de primeira!

    Abração!

    ResponderExcluir

#HTML10{background:#eee9dd ;}