Google+

domingo, 3 de março de 2013

dramas em 1ª pessoa

http://4.bp.blogspot.com/-XxmIb3e8bVA/Ua5vHH1pszI/AAAAAAAABVU/lM_m4RkTfY4/s1600/Nico-Tortorella-15.jpg    Estou passando um mês na casa dos meus pais, e encontrei com minha antiga paixão de pré-adolescente. Creio ter sido a mais intensa que tive com uma menina e, muito estranhamente, ainda sinto como se quisesse tê-la quando a vejo. Eu não entendo isso. Ela me faz me sentir estranho, com vontade de tocá-la mais, me faz me sentir possante e masculino, e esse sentimento é bom. Hoje ela mora com um namorado e tem um filho de 6 meses, o que me deu motivo para me imaginar no lugar desse namorado. Resumindo: ela ainda mexe muito comigo.
    Já disse algumas vezes aqui no blog que não gosto de falar muito sobre mim, tanto porque não me acho uma pessoa interessante, quanto porque este blog não é um diário. Acho desnecessário e entediante quando um texto de uma pessoa fora do meu interesse se foca muito em quem o escreve. Às vezes, porém, dá uma vontadezinha de largar a sequência de textos sobre coisas, e falar sobre... sei lá, algumas divagações, pessoalidades e nadas, talvez.
    Isso deve ser carência. Eu geralmente me acho uma pessoa forte, e alguns leitores podem ter sentido isso também pelos textos, ou não. Talvez sintam isso porque é um lado impessoal falando, aquele lado esquerdo do cérebro que é cinza, racional e matemático, enquanto meu lado direito fica reprimido, tadinho, pois é indeciso e volátil e não me tem sido de grande serventia. O lado esquerdo sabe por A mais B o que quer, quando e como, enquanto o direito se afoga em dúvidas. Claro que não acredito nessa divisão, que é muito simplória para uma máquina tão complexa como nosso cérebro, mas ajuda a ilustrar o que quero dizer. Acho que tenho sido muito impessoal em muitos aspectos da minha vida, e inclusive comigo mesmo. 
    Prevejo que este post está tomando um rumo de desabafo, pois preciso confessar que não sou tão seguro e nem certo do que defendo nesses textos quanto pareço ser. Sabem, senhores, eu sei do que gosto, mas não sei se sou forte o suficiente para buscar isso, e nem sei o que quero buscar. Não falo sobre buscar prazer, porque a juventude me garante uma abundância de carne. O pensamento de arrumar uma namorada, por mais ridículo e egoísta que isso possa aparecer, tem se tornado muito frequente nos meus dias. Não sei se deveria estar confessando isso neste blog, que tinha como objetivo original levar conforto para quem não se aceita, e dizer que isso tudo é normal, pois isso soa incoerente e pode minar todos os outros textos deste blog. "_O quê!!! O NB diz para nos aceitarmos, mas ele não se aceita? #chatiado"
    Não, não é isso. Eu me aceito do jeito que sou e sei que meus desejos são 'normais', mas o que não tenho certeza é se terei coragem de investir numa relação desse tipo. Sabe, é muito difícil, é muita pressão, e todo o processo é muito chato e desgastante. Estou me cansando de me ausentar em sociais de família ou amigos porque eu tenho medo de me sentir descolado com tantos casais. Vejo outros, até mais novos que eu, levando namoradas para sociais ou coisas de família, e isso me mata de vergonha por ser o primo que nunca namora. Primos e amigos levam suas namoradas para funcionarem como companhia caso a social esteja chata. Pelo menos vai valer pelo passeio e pela comida grátis...
    Sabem, eu odeio drama (exceto em filmes), e já estou prevendo como será se eu contar para a minha família. Meu pai deve ignorar, pois ele é sempre muito relapso com tudo, e minha mãe deve, em princípio, dizer que é uma fase, que eu não posso ser assim porque é errado, e quando ela perceber que eu não cederei sobre minha sexualidade, ela pedirá o sigilo para que ninguém fora desta família nunca saiba, como uma doença que traz vergonha para a família e mancha a imagem do filho perfeito dela, que ela insiste em usar como troféu. Claro que isso é involuntário, pois toda mãe gosta de ser reconhecida pela sua criação quem resultou em um homem 'de bem', pois a sociedade cobra isso dela. Nossa relação ultimamente está muito fria e distante, apesar das incessantes tentativas dela de reaproximação. Por mais que eu queira, eu não consigo me aproximar, e sei que a culpa é minha, o que me causa profundo remorso. Enfim.
    Eu me senti diferente sobre isso tudo durante meus relacionamentos ultrarrápidos. É interessante como ter uma pessoa que esteja sempre do seu lado muda a sua percepção de mundo, e tudo ganha um sentido melhor, mais otimista. Em alguns momentos eu sentia que essa ideia maluca de sair do armário poderia ser viável, mas ela logo passou, assim como os meus parceiros exclusivos, que convencionamos chamar de namorados.
    Eu sou muito crítico da monogamia, mas tenho que reconhecer que ela faz muito bem ao lado emocional/direito do cérebro, que no meu anda subnutrido. 
    E eu sou muito hipócrita também. Ainda não aprendi aquela lei básica sobre dar e receber, e quero mais do que ofereço (ou posso oferecer) num relacionamento. Não estou falando somente sobre fidelidade, mas no geral. Essas fotos do blog, os rapazinhos de comédias românticas, as histórias de amor incondicional, tudo isso me deu a chance de construir a ideia do que esperar de um namorado que eu possa amar. Vocês não precisam me dizer que isso é burrice, eu já sei. Só não consigo largar essa ideia ainda.
    Acreditem ou não, eu sou romântico, e acho que isso também fode com minhas possibilidades de relacionamento. Não digo romântico no sentido de ser um amante meloso e ultra atencioso com a pessoa, mas no sentido de buscar o relacionamento por amor. Digo isso porque eu não acho que faz sentido acreditar em amor. Eu queria não acreditar e poder sossegar com uma pessoa meia boca por conveniência, pois é mais fácil. 
Imagine: você conhece uma pessoa que mexe com suas emoções e vocês pensam que é amor. Pode ser ou não, mas será que é aquele sentimento de que tanto falam? Como saber? Como se aquietar sabendo que o verdadeiro amor e a chance de felicidade pode estar em outra pessoa, mas você não pode arriscar por ficar preso a uma pessoa pela possibilidade de ser amor também? Foda-se o amor e essa farsa que nos convenceram que existe. O que existe é pau, buceta e casais por conveniência, porque o mundo pede que casais fiquem juntos, se aturando até a morte, em relacionamentos subsidiados por alcoolismo e traições, principalmente nas gerações mais antigas. Tenho medo que a ideia de casais gays seja apenas uma tentativa de emular esses casais héteros, porque alguém inventou que gays também devem ter o seu exclusivo.
    Como previ, este texto tomou um rumo de desabafo, o que eu não gosto. Esse tipo de texto é um porre também, porque ninguém quer ficar lendo moleque reclamando da vida ou do mundo. Devo estar precisando de um lote pra capinar, ou de me preocupar menos em ser julgado o tempo todo.
    Acho que essa é a razão porque crio tanta impessoalidade e formalização nos textos. Onde já se viu engenheiro escrever textos que não sejam relatórios técnicos? Talvez seja uma forma de me proteger do julgamento, pois tem menos de mim por aqui. 
    Pois é, da mesma forma que me formalizo por aqui, por fora eu tenho preguiça de formalidades e intelectualidade. Ser formal é chato, entediante, e a percepção que tenho de mim mesmo é que sou muito besta, e adoro falar errado, especialmente em concordância de número, com meu sotaque lindo do oeste de Minas. Assim como dizem que o cara que é bonitinho te agrada pelos primeiros cinco minutos e precisa de conteúdo para agradar por mais tempo, também acontece o contrário. Ser formal cansa a quem o é, e a quem o presencia. Gostaria de deixar meu lado direito do cérebro ter mais voz por vez ou outra.
    Para vocês terem noção de tanto que sou largado com formalidades, alguns dos meus estilos de música favoritos são funk carioca e arrocha. Quanto mais indiscreto e vulgar, mais eu gosto. Gosto de axé também, e algum rock nacional como as músicas antigas do Skank. E Ana Carolina. Não gosto quando pessoas dizem que certo tipo de música é melhor ou pior que outro, ou que não é cultura. Isso me soa tão ignorante que chega a dar câncer. Porque as pessoas não podem apenas curtir suas músicas em paz, sem serem taxadas automaticamente de favelados, analfabetos e sem cultura só pelo seu gosto musical? Exceto quem ouve pagode. Esse é horrível e quem ouve tem merda na cabeça.
    Obviamente eu tenho preconceitos, mas eu tento controlá-los. Tenho alguns preconceitos que até me envergonho de dizer, mas acho normal, também. Por exemplo, eu não gosto de gay que se refere a outros no feminino. Somos homens, oras, tratemo-nos como tal. Tenho ódio disso, pois acho desmoralizante, desnecessário e escandaloso. Também não gosto de gente que se intelectualiza demais, ou gente 'cult', daqueles que recusam certas expressões artísticas por não estarem a altura das suas intelectualidades superiores. Arrogância geralmente anda de mãos dadas com essas pessoas. Enfim, chega de drama.
     Meu nome não é N.B. (_sério, N.B.?) e as letras apenas relacionam o B, que é a inicial do meu sobrenome. O N é a primeira letra do nome de um filho que eu teria quando eu ainda sonhava em ter filhos. Eu faço Engenharia Elétrica, nasci no final de 1989, tenho 23 anos portanto, e tenho crises de idade constantemente. Odeio fazer aniversários e tenho medo de entrar em colapso quando eu fizer 30. Eu amo cachorros, e tive uma cocker preta que me acompanhou por 9 anos, desde os meus 11. Ela morreu em 2011, e este é o meu contato mais próximo de perda de um "ente querido". Meus avós morreram quando eu era novo demais para me importar.
    Eu tenho esse meu lado hippie ao gostar de animais. Apesar disso, sou fã de churrasco e carnes em geral. Sou esganado, e frequentemente encontram-se mais de 3 tipos de animais diferentes no meu prato. Mas em política eu não sou hippie, e tendo a ser conservador/direitista na maioria dos assuntos.
    Eu já tive duas experiência de felicidade e infelicidade extremas, mas em sonhos. A sensação de felicidade, que parecia como o melhor sentimento possível e que se sentia como se eu tivesse atingido o objetivo mor de viver, foi quando sonhei que fiz sexo com meu amigo com quem eu tinha uma paixão platônica na adolescência. O extremo oposto aconteceu quando sonhei que meu pênis caiu, levando consigo toda a minha vontade de viver.
    Acho que fui injusto com meu pai no texto "Pai ausente", pois eu não apontaria nenhum desvio de paternidade até os meus 14 anos. Apenas depois nos distanciamos, talvez por ambos terem ficado ocupados demais, ou pelos motivos apresentados naquele texto. Até essa idade, íamos ao clube 3 vezes por semana, na maioria das vezes para jogarmos ping-pong. Era o que gostávamos de fazer juntos.  
    Tenho ido a boites gays, até bastante frequentemente, eu diria, já há mais de um ano, pois arrumei companhias ótimas para isso, graças ao blog, e confesso que eu me arrependo de não ter começado a ir mais cedo. É muito mais tranquilo do que eu pensava (dependendo do lugar, claro). O medo e preconceito eram exatamente pela falta de conhecimento sobre aquilo tudo.
    Hoje faz 2 anos que comecei a escrever neste blog, e fico surpreso que eu tenha levado esse projeto por tanto tempo. Este também é o 100º texto, e como não sei fazer textos comemorativos, resolvi fazer um fora do padrão e falar de mim. Não sei se é assim que se fala de si, mas espero ter respondido algumas perguntas que surgiram por aqui.
    Por fim, eu tenho que agradecer a todos que apoiam este blog, direta ou indiretamente, e agradecer aos melhores leitores que um blogueiro iniciante pode ter, pois sem vocês eu não teria nenhuma motivação para tocar isso por 2 anos. São muitos comentários elaborados e inteligentíssimos, que me inspiram. Tenho que agradecer aos amigos que fiz nessa jornada, e reafirmar que não tenho intenção nenhuma de parar com este projeto.

Então, isto é um pouco de quem vos escreve.
Um prazer, e até mais.
N.B.
------------------------------------------------------------------------------------------

88 comentários:

  1. Me identifiquei bastante com seus medos e dúvidas sobre esse enfrentamento do "ser gay".

    Entretanto, de uma coisa eu estou certo: jamais me casarei com uma mulher. Eu me mato antes disso. Não é minha vida.

    Pra que viver uma vida que não é sua?
    Que seja sofrida, difícil, sufocante. Mas que seja SUA.

    Jamais voltarei pro que eu vivi na pré-adolescência, tentando me infiltrar no mundo hétero. Mundo esse que não é meu. Se não tiver um mundo que seja meu, que eu não tenha nenhum então.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que drástico! Menos mortes, pfvr rsrsrs
      Lango, mas pq essa vida não seria minha? Quem garante que eu não seria feliz com ela?
      É só mais uma possibilidade, assim como não casar.
      abç

      Excluir
  2. Posso falar?

    Este foi o seu melhor texto! E sim, eu sou bem crítico, a ponto de ser autêntico e falar que vários textos seus eu não compreendi simplesmente por não concordar que o que disse, mas não com este.

    Talvez por ser o mais pessoal de todos, tenha me mostrado um pouco do N.B. (na verdade, do "você" que está aí e não é o N.B., mas sim VOCÊ".

    Que bom que você sofre. Que bom que você tem crises. Acho que todos temos e todos saímos mais fortes delas depois.

    Retomando... fiquei feliz de demonstrar esse lado do "você" que eu imaginava que existia, mas que não queria se mostrar. Esse lado do menino do interior que veio para a cidade grande e aprendeu a descobrir a si mesmo. E isso não é crítica: isso é fato! Você, com certeza, sabe a diferença de ser quem é com seus pais e ser consigo mesmo.

    E não se preocupe: às vezes, dá até vontade mesmo de voltar para aquela paixão da adolescência; aquela menina que a gente sonhou muitas vezes em ter por perto, mas isso passa. Se não passar, tenho "más" notícias! Hahaha

    Abraços e excelente semana!

    ResponderExcluir
  3. Sinto que seríamos bons amigos ou talvez teríamos tido algumas conversas interessantes, se você não tivesse medo de mim, por eu ser da sua cidade, saber seu nome e seu facebook. Talvez você não sabe que eu sei disso tudo, mas fique sabendo. E fique sabendo também que não que se preocupar com nada. : )

    Sempre leio seus textos e me identifico bastante com seus conflitos. Nesse então...



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lango, morro de medo.
      Mentira. Você provavelmente estava no msn que eu usava para contatos do blog, que parei de usar. Se você tiver gtalk, entre em contato comigo. Acho que é só mandar um email que ele adiciona o contato automaticamente.
      um abç

      Excluir
  4. Concordo com o Vinícius. Se esse não for o seu melhor texto, com certeza está entre os melhores. Não comento muito aqui muitas vezes por preguiça mesmo, mas depois de ler esse texto me senti na obrigação de fazê-lo.
    Primeiro de tudo eu queria dizer que se eu pudesse, eu lhe abraçaria agora NB. Não sei o porquê, mas sinto que você precisa de um abraço sincero e amigo (pode ser que eu esteja totalmente errado). Segundo, ao ler o texto eu me senti muito feliz e ao mesmo tempo confrontado pelas suas divagações.
    Feliz, porque é uma das poucas vezes que vejo você falando de si mesmo, o que apesar de você achar "ruim" para o “clima” do blog, é uma das minhas grandes curiosidades, porque somos humanos e quando você se dispõe a escrever sobre os temas que aparecem aqui é porque, penso assim, aconteceu algo que lhe moveu a fazer isso e saber desse motivo responde às minhas perguntas, como você mesmo falou.
    Confrontado, porque apesar de eu não me sentir no mesmo "nível" de vida em que você está, você tem 23 anos e eu 18, e não ter tido as mesmas experiências, você colocou todas as perguntas que eu já me fiz, em xeque. Sabe aquele momento em que você deita, antes de dormir, e a sua mente lhe faz passar por todos os seus problemas? Quando você tenta descobrir as consequências que eles trarão? Ou quando, no seu cotidiano, você tem insights devido à pequenas coisas que acontecem? Pois é. Já me perguntei sobre essas coisas e evito divagar sobre, justamente por não saber respondê-las. Se vou realmente seguir com esse "estilo de vida", se não seria melhor se eu tentasse me encaixar, evitar o desgaste, brigas, etc.,... Se eu não estou me ausentando de culpa e repassando tudo aos meus pais (que me lembram muito os seus)...Se eu não estaria “condenado” à solidão...enfim.
    Quando não consigo 'sair' desses pensamentos com algo, um objetivo, uma maneira de "ter um final feliz", eu fico chateado, e com o tempo acabo esquecendo e assim vai. Só que quando aparece um texto desses, pelos quais espero ansiosamente – tenho que dizer (hihi), tenho uma vontade de viver intensamente e de fazer muitas amizades, (estranho, não?), porque assim eu não estaria sozinho (pois esse é meu maior medo), mas ainda fico duvidando se amigos seriam o suficiente, se eu não precisaria de alguém do meu lado...um amor. Porque é assim que eu vejo um relacionamento: pessoas que se unem porque se gostam, mas principalmente porque não querem ficar sozinhas, ou mesmo que não necessariamente precisem se amar, mas que, como instinto primário, desejem companhia, fugir da solidão.
    Realmente, esse meu depoimento não possui uma conclusão... Mas, ressalvas. Que apesar da distância, você, NB, faz realmente parte da minha vida e da vida de quem lê esse blog. De que antes de ser engenheiro você é humano. E um humano que escreve maravilhosamente bem, diga-se de passagem. Que representa, verbalmente, as nossas dúvidas e desejos. Não pense que eu não duvidei que você, por trás da ‘armadura’, não vacila quanto às suas ideias. Todos fazem isso. Mas, queria deixar claro que você ajudou muitas pessoas escrevendo aqui e que isso já é parte de muitas histórias de vida. Que a gente espera que esses comentários que te fazem seguir em frente, te ajudem a se construir como pessoa. Que apesar do desgaste, dos erros, do medo, das decepções e de tudo que possa te fazer optar pelo caminho mais “fácil” (sem julgamentos), você pense naquilo que você deseja e sonha. Então, é isso. Não desista! Desejando-te um abraço muito forte, apertado e cheio de determinação, Max.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Max! Não recuso o abraço, mas que não seja aqueles sem jeito, distantes que se resumem a tapinhas nas costas =)
      As vezes também, depois de reflexões mais intensas, saio com mais vontade de deixar minha vida com menos rotina e mais novidades, como vc disse tb, de fazer mais amigos que porventura podem virar namorados, tb. Compartilho da visão de que namorados devam ser amigos antes de qualquer comprometimento, se eu te entendi bem. Porém paro aí. Não diriam que se juntam por terem medo de ficarem sozinhos, mas por assim poderem desfrutar mais e melhor da companhia um do outro, assim como satisfazer a necessidade humana de segurança e possessão.
      Pode ter certeza que os comentários que vocês deixam por aqui me acrescentam muito, e também moldam o que sou e me tornarei. E se você não tivesse dito que tem 18 anos, eu teria assumido que é bem mais velho! Que cabeça madura e que qualidade no comentário! Sua educação deve ser muito boa, realmente.
      Um grande abraço.

      Excluir
    2. Com ctz N.B. faz parte da minha vida. Mesmo que de longe. Suas reflexões exprimem (quase) exatamente o que penso e o que sou.:

      Excluir
  5. Cara vc se julga demais mas adorei seu texto. Muitas dos seus medos e dúvidas já passei e ainda estou passando uma da coisas boas de falar sobre uma linha de pensamento é que vc acaba se descobrindo ainda mais. Sou bem romantico também porém assim como vc não sei o que é o amor , quando ele chega e nem como descobrimos apesar de já ter tido alguns relacionamentos sei apenas que vc tem que ser vc mesmo ser mesmo se vc se interessar por uma pessoa de todas as maneiras e estiver afim dela ou dele porque não começar? vc tem que ser apenas honesto consigo mesmo e tentar chegar no caminho correto não é com mentiras que se constroi uma vida. E qual jovem não tem medo dos 30 considero como a melhor fase é a época do amaderecimento incluída a jovialidade porém se muito dos meus planos não tiverem concluídos me sentirei um fracassado. Acho que o problema de muitas pessoas e me coloco nesse patamar é pensar dem ais racionalizar demais os pós os contra a razão as vezes faz mal deveriamos arricar seguir mais a intuição e que se fod se der algo errado. No meu caso o meu problema não é falta de coragem sim que adoro filosofar ,odeio magoar as pessoas e sou centrado correto não tenho medo de arriscar mais sou super racional. A vida segue alguns problemas vão sendo resolvidos e outros vão começando e vão entrando novos medos e angustia faz parte de ser humano . E parabéns aos dois anos de blog que dure por muitos anos e que ele te ajude e também aos leitores. Ass: Carlos

    ResponderExcluir
  6. Seu texto foi muito bonito e sincero, e não há incoerência nenhuma, penso que será muito positivo para quem está se assumindo ler um relato como o teu... essa pode ser uma dúvida de muitos!

    Eu tomei a liberdade de te mandar um email, no email que está indicado mais acima... espero que não se importe.

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  7. Caraca, que texto foda!!! Cara, parabéns por escrever tão bem e mostrar esse lado mais passional adormecido (ou escondido). Eu começo o curso de engenharia elétrica este ano e achei muito massa ter isso em comum com você! kkkkk Mas deixando a puxação de saco pra lá, queria dizer que ver você expondo suas incertezas também pode ser confortante, uma vez que te admiro pra caralho e isso me ajuda a conviver com minhas dúvidas de maneira mais sadia (viu? Não consigo parar com a tietagem). Obrigado por dois anos de aprendizado e fotos muito bonitas... Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Netu, se prepara para o sofrimento, noites sem dormir e stress generalizado paksapokspoaksap
      Obrigado por ler, pelo comentário e pelos elogios! Fica tranquilo, sinto assim com a tietagem http://www.youtube.com/watch?v=bcbXmV5MqKI
      Grande abç =)

      Excluir
  8. Uma vez prometido, uma vez cumprido!
    Parecerão notas rápidas, mas o que mostro aqui são meras cópias do que, pelo que vi, todo mundo sentiu ao ler o seu texto. Mas vou expor de outra forma, acho.


    Começando em 3, 2, 1: go!
    - também tenho uma menina que eu poderia namorar com ela, acho. É estranho, pois ao mesmo tempo que a segurança de um relacionamento hétero seria muito bom pra minha vida, por outro lado eu poderia perder o principal, que seria estar de bem comigo mesmo. Mas diferente de você, eu ainda estou na encruzilhada: posso procurar me relacionar com homens ou com mulheres. Posso procurar me satisfazer sexualmente, ou agradar o meu intuito que diz que não serei plenamente feliz ao lado de um homem. Amar um homem ou uma mulher, parece que não tenho como escolher, porém para me apaixonar basta eu olhar diferente, e em algum momento em que a pessoa esteja a mostrar o melhor de si. E nesta posso resolver criar uma vida ao lado de alguém que não vai querer nada comigo depois de algum tempo, que se cansará. Ou que simplesmente vai resistir ao tempo "porque é assim que tem que ser". Uma das coisas que tenho medo é de chegar lá na frente e descobrir que errei e acho que isto me faz ficar um pouco travado. Imagine: não ter tido filhos, não dar o direito à vida a alguém. Isto me perturba.

    Aqui já dá pra ver que choro de mim mais que pobre quando reclama da chuva :D

    - Carência? Não sei. Você consegue expor muito bem suas ideias, o que você pensa, e isso é bom. E falar de si mesmo é necessário nos dias de hoje, tanto em uma entrevista de emprego quanto em um relacionamento. Imagine você chegando pro seu "mô" e falando que não quer falar de si mesmo pois isso é chato, além de te fazer carente. Não sei, acho estranho, até porquê estamos aqui no intuito de procurar sinônimos nossos, então além de discutirmos assuntos dignos de assembleia nacional, também temos que discutir assuntos que nos tangem, ou que nos cortam mesmo, passam bem lá no fundo, para nos expor a ponto de encontrarmos semelhantes os quais possamos compartilhar nossos sentimentos, alegrias, tristezas e mazelas do dia a dia, quer seja em um blog, quer seja em um namoro. Aproveitando a deixa, o lado "direito" e "esquerdo" que você falou do cérebro estão bem expostos aqui, não? Verdade ou não, é uma boa forma de explicar muita coisa.

    - Não ser seguro e nem certo do que você diz por aqui? Diria mais que se preocupa em sempre rever seus conceitos, até porque somos humanos, logo falhamos. E não que nosso destino seja o fracasso, muito pelo contrário.

    - Da juventude que lhe garante a abundância da carne, pois é. Pensar no dia de amanhã é sempre bom. Por mais que eu aproveite o agora, se eu acostumo a comer caviar diariamente e depois fico pobre, quem se *ode sou eu.

    - Já falei sobre isso, mas você tocou nesse assunto com mais detalhes, então... Relacionamento homoafetivo. Defendido por muitos, endemoniado por muitos outros. Saber que ama alguém semelhante a você, e por isso, não lhe interessa o resto, o importante é a felicidade. E a busca desta, que é uma das garantias de um bem-estar pessoal, de um certo alívio, base para uma aceitação pessoal, pode deixar de existir pois para que você se una com seu parceiro será necessário deixar para trás muito do que você batalhou para conquistar, ou o que é garantido por censo comum. Perder família e amigos por causa de um parceiro pra mim não compensa. E muitas vezes o motivo não é somente o tabu de ver dois homens juntos, o que é consequência oriunda nos dois lados dessa mesma moeda. Respeito é sempre bom, mas a educação, que é básica, ainda é falha e pessoas acabam sendo criadas com conceitos de muitos séculos atrás, onde tudo era imposto por instituições nacionais e internacionais. Enfim, próximo.

    ResponderExcluir
  9. - Meu caso com meu pai é bem diferente. Aliás até meus 12 ou 13 anos eu desconfiava ser adotado, mas nesses últimos tempos tenho me aproximado dos meus pais, principalmente do meu pai. E se por algum acaso eu chegar para meu pai falando que acho que talvez exista a possibilidade de que ao olhar para um homem eu me sinta um pouquinho só que seja atraído, pra começar seria uma hora só pra afirmar que isto é um absurdo, que isto é errado em nome de (eu respeito, então não cito), que é muito preconceito, este certo pq é errado mesmo, e que se os outros escolhem pular da ponte ou comer bosta eu não devo ser maria vai com as outras, etc, etc, etc...

    - Você falou de relacionamentos, eu nunca tive nem os ultrarrápidos. Acho que, assim como Lívia Maria, eu trabalho com risco zero (não se assuste, só saí do estado uma vez só, não tenho nada com a Turquia).



    - Da monogamia, eu a defendo. Sei lá, os benefícios são tantos... Na verdade, só de ter um porto seguro te dá liberdade e segurança para voar mais longe. Poligamia, esta as vezes eu relaciono com individualismo, egocentrismo. Não sei o tanto de absurdo estou dizendo, mas poligamia eu associo com compromisso, este seguro e muitas vezes duradouros. E os relacionamentos héteros de antigamente eram movidos a álcool pois muitas vezes a escolha do parceiro era feita pela família, aí neste ponto fica evidente que uma certa pitada de individualismo é necessária em nossas vidas. E por isso o relacionamento gay é possível, com amor e tudo mais, até porque dentro do seu(s) quadrado(s) nada os incomodará. Agora em um espaço público, onde a opinião pública reina, sábios são aqueles que se fazem de invisíveis. E não seja tão cético: o amor existe, basta acreditar nele. Acreditar nele e acreditar em muitas outras coisas (e lá já vou eu viajando).

    - Você falou que seu texto se tornou um desabafo. Que desabafo mais filosófico, hein? Acho que já provou pra você mesmo que está capacitado a dar palestras. E se por algum acaso estas sejam sobre você, leve um relógio contigo pois muitas pessoas não têm como voltar pra casa se perderem o trem das onze (horrível essa).

    - "Onde já se viu engenheiro escrever textos que não sejam relatórios técnicos?" Bom, tem você, tem eu, conheço outros... E não digo de mim por causa desses comentários "moh nada vê vey", digo por outros que já escrevi e, modéstia a parte, foram muito bem avaliados pela "nefasta opinião pública".

    - Também não gosto muito de ser formal no dia a dia, é bom. E de sotaque, sei lá qual é o meu. Só sei que eu acostumei a falar "beozonti" depois de tanto ouvir que nenhum mineiro não falava assim.

    - Confesso que não procuro por funk e arrocha. Não curto muito, e falo isso abertamente dizendo que prefiro mais anos 80, rock e tals. As vezes chego a dizer que não gosto mesmo, que é ruim. Mas se eu chego com música clássica eu me torno o chato com a música brega. Como diz minha mãe: "<> sobre os outros na rua, meu filho, pois todos os outros também o fazem." Daí eu falar que não gosto, quando coloco minhas músicas sou o chato, brega, "refinado". Enfim, isso é o que eu chamo de drama pessoal inútil, chato e desnecessário. Compare isso com seu texto e não repita mais que não acha que seu texto se tornará cansativo.

    - Homens nascem homens e morrem homens, cortando o bilau ou não, <>. E eu não sou cult, muito pelo contrário, se é isso que pareceu no "item" anterior.

    ResponderExcluir

  10. - Oi N.B., tudo bem? Eu também não sou o "Anônimo". Na verdade esse é o nome que o google colocou pra mim. Mas me define bem porque se quisesse eu poderia me apresentar devidamente. Mas como somos muito próximos, então melhor não. Tenho meus 19 anos, mas crise de idade as vezes já tenho, pois o medo de não ser alguém na vida me ronda o tempo inteiro, além do futuro. O indecifrável, o magnífico e o "Anônimo" futuro. Deste eu só sei...










    (meia hora pensando)









    que nada sei.

    - Vamos pular a parte do hippie/política?

    - Ser injusto? Sou a cada instante da minha vida. Fico decepcionado comigo mesmo quando não dou lugar a um idoso no ônibus, ou quando finjo não poder ajudar alguém quando posso (mas na verdade depois vejo que não podia mesmo, e por isso fico chateado). Aí eu fico parecendo o Sr. salvação. "Façam dele rei e os problemas nacionais desaparecerão!" #Soquenao

    - Bom você ter citado boates gays, porque aí eu digo que tudo o que eu falo é vendo o "mundo gay" do lado de fora. Não sei o que é ter um relacionamento com outro homem, nem que seja no escurinho do cinema. Não frequento o meio gay e muitas vezes zuo com meus colegas acompanhando, ou mesmo incitando, certas brincadeiras. Mas naquele caso que você expôs sobre a foto da mulher maravilha na sala de aula eu ficaria quieto. Faria somente comentários mais brandos, do tipo: "de fato, bela." Não sou muito escandaloso nesse ponto, por mais que meu sangue seja quente.

    - Enfim, parabéns pelo blog, meu caro. É um trabalho social muito bonito o que você faz de abrir um espaço tão especial para a discussão desses nossos conflitos pessoais. (Largando mão das tardes nas tv's brasileiras) Parabéns mesmo. Não faz muito tempo que estou aqui, mas é muito bom ler textos tão inteligentes com comentários tão bem elaborados. É um espaço para se sentir mais a vontade sobre o que falamos. Essa turma reunida daria um bom debate, um animo legal mesmo. Abração pra todos vocês. Desculpem-me o meu forjado e mal feito texto, fiquei formal demais. Mas é até bom pra que o N.B. pare de reclamar que escreve mal. Daqui uns tempos vamos acabar é comprando livros dele :D (ehr, acho que agora cheguei mais perto da tv's vespertina brasileira hehe).

    Abraço a todos!

    ResponderExcluir
  11. Uau, pegando fogo aqui, hein?

    Meu caro, não sei nem bem por onde começar, então vamos indo.
    Não sou engenheiro, mas tenho meu pé e meio na engenharia. Escrevi e escrevo muitos relatórios técnicos e, tendo, via de regra, olhar para minha vida com um rigor desnecessário (trabalhando nisso atualmente). Olha... tem benefícios, mas não sei se pagam os sacrfícios.

    "me faz me sentir possante e masculino" Sei bem. Mas, com o passar do tempo (meus 27 anos e longo namoro com uma mulher me dão alguma - ainda que pouca - propriedade para falar, mesmo sem a "vivência" homossexual que desejava já ter) percebi que isso vem naturalmente quando se está de bem consigo mesmo, não importa quem está ao seu lado. Talvez te protejas demais de sentir as coisas de verdade, com o peso que elas efetivamente tem na tua vida. Pessoas, também. Gostando ou não de drama, ele é necessário ao nosso crescimento pessoal. No pain, no gain, rsrsrsrs.

    "Estou me cansando de me ausentar em sociais de família ou amigos" E o que responder quando a derradeira pergunta vem? Sempre na evasiva. Todos enxergam, mas ninguém vê. Não te dá raiva? A mim dá!

    "apesar das incessantes tentativas dela de reaproximação. Por mais que eu queira, eu não consigo me aproximar, e sei que a culpa é minha, o que me causa profundo remorso." Sabe, me pego pensando até que ponto eu não sou injusto ao pensar isso ou aquilo dos meus pais. Será que a gente dá chance de eles se tornarem as pessoas que podem se tornar? Sei que partes do princípio "para que contar? não vale a pena", mas os próximos anos vão te dizer que não vais te sentir pleno nunca sem compartilhar isso com teus pais. ok, quem sou eu pra falar, né? Faça o que eu digo, mas não faça o que faço. Não quero ser hipócrita, quero partilhar pensamentos e, quem sabe, construir algo melhor. Acho que vale a discussão. Claro que, tudo tem consequencias. É preciso estar preparado para elas. Tendo a ser otimista, romântico para a vida, pode-se dizer. Penso que talvez me surpreenda. Talvez seja só uma linha de esperança para me agarrar. Um dia vou saber.

    "Ser formal é chato, entediante" hahaha Concordo, mas, tu, definitivamente, não é.

    Funk carioca??!! Muito bom!!!! Axé não dá, cara... até pagode vai antes... aliás, um pagodinho com a cabeça cheia de cerveja diverte bastante. hahaha. Mas, fico com o funk.

    "Tenho ido a boites gays, até bastante frequentemente, eu diria, já há mais de um ano, pois arrumei companhias ótimas para isso, graças ao blog, e confesso que eu me arrependo de não ter começado a ir mais cedo." São tantas boas pequenas coisas que teu blog nos dizem e contribuem...


    Acho que, no fim de tudo, apenas tenho a dizer que te acho um baita cara, um grande homem e muito forte. Consigo imaginar bem a força necessária para vestir esse relatório técnico todos os dias. Ser o troféu da família e sentir que não te conhecem de verdade. Tenho certeza (e comentários acima comprovam) que és admirado por muitos. Tuas qualidades te definem.

    Parabéns pelos 2 anos e 100 ótimos textos. Não teve nenhum mais ou menos.

    Parabéns e obrigado. Mesmo.

    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gus / Recife

      Chico POA, teu comentário vale ser lido, tanto quanto o texto do N.B. Adorando o nível dos posts e comments daqui. Levantando questionamentos interessantes!
      Só não compartilho de não gostar de Axé! HAHAHAHAHA
      Mas de resto, tá ótimo!

      Excluir
    2. Chico! Obrigado pelo comentário! Você também é um """baita""" cara, e quero dizer que sua amizade me adiciona muito!!! =)
      Toma uma obra de arte pra vc http://www.youtube.com/watch?v=6djykRZLA7M
      Só vou desconsiderar a parte do pagode.
      E GUS, isso é perseguição com a bahia rsrsrs Como pode não gostar de axé?
      Abçs

      Excluir
    3. A pedido dos novinho!

      https://www.youtube.com/watch?v=4y769SUZP2I

      Excluir
  12. Ninguem com os nossos 20 e poucos anos tem todas as respostas.

    So posso afirmar, por experiencia própria, que é possível amar outro homem. Acredite, se esforce, deixe o tempo agir. Amar demora e exige perseverança.

    Se você quer uma relação, primeiramente tem que aceitar ser amado.

    Att,

    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelas sábias palavras! Um abç

      Excluir
  13. GUS - RECIFE

    N.B., esse texto 'fora dos padrões' foi realmente um dos seus melhores textos. Eu, particularmente, gostei de ter conhecido algumas pessoalidades do cara que fez, nesses últimos 2 anos, sair do armário!
    Sim... Sem ser clichê, nem nada, eu comecei a saída de um lugar no fundo do armário junto com os seus textos. Lembro bastante das nossos conversas no msm e dá gosto de ver como seus textos ficaram mais maduros, elaborados ( é até possível fazer uma analogia de como eu também fiquei mais seguro, tanto quanto eles!).
    É total 'itendível' esse balanço que você sente por essa garota que um dia gostou, ou pela idéia de ter uma namorada e ser mais convencional. Mas não seria isso fruto dessa pressão de você, sobre você mesmo... dessa cobrança?!!
    Tu é muito seguro no que fala e realmente parece muito seguro no que quer. A zona de conforto é realmente confortável ( se é que você pode entender essa redundância!), mas é fora dela que tu vais conseguir aumentar o raio dessa zona e ser gay vai acabar sendo sua zona de conforto.
    Claro que vários já te disseram, mas... se aceitar e aos poucos ver que outros estão lhe aceitando sem ser aquele monstro que você imaginou, é tão prazeroso! Eu torço pra que você sinta o que estou snetindo ultimamente, de verdade. E olhe que eu ainda não contei aos meus pais, mas esta cada vez mais claro que ele já sabem...pelo olhar deles eu sinto. E o clima está tranquilo.
    Enfim...
    Parabéns pelo blog e parabéns por se expor e assumir as suas dúvidas também pra gente, que sempre esteve aqui buscando "respostas".
    Acho que posso me incluir no hall daqueles leitores do início e por isso, um muito obrigado!

    Sucesso sempre N.B., do amigo :

    - Que não se chama GU; nasceu em 1987 no Recife, logo, tem 25; é hoteleiro formado mas não realizado; se aceitou gay a cerca de 2 anos e que também teme não estar -no mínimo, parcialmente realizado aos 30 (que já,já parte a porta!!), mas que está num grau de felicidade bem melhor aos quase 26, comparando com os 15!

    Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. GUUUUUUUUUUUUUUUS!
      Palavras gentis vindas de um bom amigo sempre nos fazem tão bem =)
      Fico muito feliz que as coisas com seus pais estejam ficando mais tranquilas, e espero pelo dia em que poderei compartilhar alguma coisa assim aqui no blog.
      Um grande abraço!

      Excluir
  14. Cara, aí tu é doidão! Imagino como tu filosofaria com uma maconha rs. Então, me identifiquei pra caralho com esse texto. Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Polícia, por favor.
      paksapksaopsksapkpksa
      Brinks. Vou fazer um teste qqr dia desses e tentar escrever quando eu tiver alto. Vou dizer que foi sugestão de um anonimo.
      Outro abç!

      Excluir
    2. Tu vai se amarrar! Fica a promessa emmm! rsrsrss

      Excluir
  15. de fato, vc se julga demais.
    devia se soltar mais, acho que te faria mto bem.

    ResponderExcluir
  16. Muito profundo esse texto. O que eu consigo enxergar claramente nisso tudo, resumindo em uma frase, é que seu armário está ficando um lugar pequeno demais pra você NB.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe, sr. anonimo, até que faz sentido. Tem muito que quero viver e creio que somente será possível se eu for honesto plenamente.

      Excluir
  17. Vocês sabem o que é um retrato? Isso mesmo aquela imagem capturada em fotografia ou desenho ... busquem os dicionários. Os texto de N.B. são retratos. Cada um dos 100 textos postados são 100 imagens capturadas por N.B. Cada um desses retratos poderão ser interpretados de forma diferente infinitamente. Pois vai do olhar de cada um. Para quem o acompanha desde da criação do blog (poxa nessas horas paro e vejo que já tem quase 2 anos), não lembro ao certo qual a primeira postagem comecei a ler, mas posso deixar aqui um trecho que achei pertinente para o momento: "Um dos meus incentivos para continuar escrevendo neste blog é a possibilidade de poder ajudar tanta gente que está por ai e que está passando pelas mesmas coisas que passei.". N.B sempre foi ele! Procurando discutir temas do universo "gay" da forma que achava pertinente no momento em que escrevia. Esse era, é e será N.B! Ele mudou? Mudou. Tudo mundo muda! Mesmo quando não queremos é inevitável! As mudanças ocorrem. Mas independente da mudança, o sucesso do blog está pelo fato de N.B ter sido verdadeiro cada momento que escreveu. Pois a verdade é até onde o horizonte nos permite ver e o que queremos ver.

    Fico feliz de poder ter compartilhados várias coisas com você NB. E uma delas foi cômico quando ao conversar no msn você puxou um assunto que estava estudo e eu comecei a falar do assunto como se entendesse tudo, quando na verdade eu não sabia nada das equações Maxwell! kkkk Fiquei apenas transcrevendo o que meu pai dizia, mas teve uma hora que fiquei deslocado, pois quem estava batendo papo era meu pai e NB. Meu pai questionando se NB já tinha visto as quatro equações e NB só faltava querer tirar dúvida sobre o assunto! Tive que interromper a conversa! kkkk

    Por que estou dizendo isso? Para mostrar o quanto você ganhou e ajudou com esse blog. Para mostrar que não dá para agradar a todos, nem a si mesmo sempre. Para mostrar que você tem pessoas que consideram o valor da sua amizade. Para dizer que você estava fazendo as coisas no seu tempo. E quando digo SEU é por que é seu e de mais ninguém!

    Sim! Eu tenho 30 anos! Completei esse ano. Querem saber o que é chegar aos 30 anos? Ouça a música de Sandy "Aquela dos 30". É perfeita! Não tenham medo de chegar aos 30 anos! Tenham medo de não viver! Sou cara não assumido, me sinto realizado profissionalmente, mas ainda quero mais! Já tentei namorar outros homens e não deu certo, mas quero casar com um homem! Quero um dia poder contar para meus pais que sou gay, mesmo sabendo que já tenham feito isso por mim! Mas não sei se terei coragem, finjo que está tudo numa boa ainda! kkkkk Caramba! Já fiz tanta coisa nos últimos 10 anos! E quero mais, pois o que faz a gente viver é continuar querendo algo.

    N.B obrigado por fazer parte da minha vida! E principalmente por ser o amigo que mesmo distante quando a gente se vê o abraço mostra o porquê da amizade ser verdadeira!

    Abraço,
    D.

    P.S: Quando estiver em BH acompanho você a uma das boates, mas nem pense em me arrastar para um show de Arrocha ou Funk! Não curto e vc sabe disso! Um sertanejo ainda é aceitável! Agora arrocha e funk por favor não! kkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii
      Que comentário tocante! Até ficaria emocionado, mas tenho evitado emoções fortes! aposkpaspakspo
      Acho que isso que você disse é super importante, sobre o que eu deveria ter medo é de não ter vivido minha vida. Vou tomar isso como motto para tentar sair da rotina =)
      Eu que tenho que dizer obrigado por vc fazer parte da minha =)
      Um grande abraço do amigo NB!

      Excluir
  18. Meu coração gelou enquanto lia a parte final do texto. Achei que você estivesse se despedindo e fosse anunciar o fim do blog. auhahuahu

    Eu nunca comentei nesse blog antes mas já o leio há alguns meses e a única coisa que tenho a dizer é: obrigado! É tão, tão difícil encontrar algum espaço na web dedicado a assuntos gays que não sejam pornografia...
    Eu tenho 19 anos e nunca nem sequer beijei alguém *superando a imensa vergonha de falar isso*, então é muito importante pra mim ler esse tipo de coisa, conhecer histórias de outros gays e ter, de certa maneira, contato com pessoas tão inteligentes e tão diferentes do que eu associava a alguns gays (preconceito detectado). Me justificando... é que as pessoas que vejo em comunidades, grupos e blogs gays não são exatamente exemplo a serem seguidos...
    No mais, hm, nada - acho que só isso mesmo.
    Obrigado e espero ansioso pelos próximos posts.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. B! Cuidado com o infarto.
      Vergonha de que?? asaopskapoksak Super normal ter 19 e não ter beijado ninguém, inclusive conheço gente de mais idade ainda que nem beijou tb =p Relaxa, seu tempo virá...
      Obrigado por sempre estar por aqui e obrigado por gostar dos textos!
      Um grande agraço.

      Excluir
  19. N.B. (tenho que te chamar de alguma coisa), achei muito bacana você finalmente compartilhar conosco um pouco de si, mostrar-nos que você é tão humano quanto qualquer um e que também sofre dos mesmos defeitos e incertezas da vida.

    Pois bem, em 16/07/2012 você deixou um comentário na postagem que teria sido a última do meu "famoso" blog. A postagem era mais um tipo de desabafo escrito para eu mesmo. Bem, saiba que teu comentário, somado ao de outros poucos leitores, me causou grande alegria e inspiração. Continuei timidamente com meu blog, ainda com pouquíssimos leitores, mas ele não é a questão mais importante: eu decidi me abrir em breve com meus pais e obter meu direito de contra-atacar a ignorância alheia, por mim e pelos que passam pela mesma angústia. Sei que será difícil, mas também sei no fundo que esse é o único caminho. Sei que a opção de arrumar uma namorada e viver como um cara "normal" parece tentadora, e pode causar certa felicidade de início, mas no fundo você sabe que isso não iria durar. As crises de depressão jamais vão passar, porque ouvir calado um ente querido dizendo algo como "viado é tudo safado mesmo" vai continuar causando o mesmo estrago. Além do que, o desejo verdadeiro sempre persistirá... Para mim, isso é uma cilada disfarçada de opção.

    Queria muito conversar contigo se possível, sei que muitos devem pedir isso, mas se tiveres um tempinho vago qualquer hora, uns 15 minutinhos =) Você foi meu inspirador cara, e mesmo se revelando tão "fraco" como eu (e apenas 1 ano mais velho), continuo te admirando por ter levado um pouco de esperança e autoestima aos jovens que convivem com essa forma de amar tão marginalizada... e 100 postagens não é pra qualquer um... meus sinceros parabéns por tudo!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. If you don't know my name, you can call me baby =p
      http://www.youtube.com/watch?v=-8Qe84PT4Tw

      Fiquei muito satisfeito que você achou motivação para continuar a escrever!
      Entendo seu ponto de vista ao dizer que essa opção é cilada (bino). Tem uma outra análise que podemos fazer, considerando a não existência de possibilidade de relacionamento estável como gay, e considerando que essa vida de homossexualismo não leva a nada, ou não leva à felicidade. Dessa forma, mesmo que seja uma opção que não satisfaça plenamente os desejos pessoais, é uma que possibilita a companhia e experiências "socialmente aceitáveis" que podem trazer momentos felizes para quem namora a mulher de fachada. Enfim...
      Então, fique a vontade para me contactar! Acredito que já trocamos emails. Será um prazer conversar.
      Um grande abraço. =)

      Excluir
  20. Vejo que não fui o único a pensar que era um texto de despedida hahaha. Parabéns pelos 2 anos de blog (quase que totalmente acompanhados por mim :D) e pela centésima postagem. Um abraço.
    PS. Gostei de conhecer um pouco do N.B.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Duds!
      Obrigado pelos parabéns! E obrigado por estar sempre aqui.
      Um grande abç

      Excluir
  21. Muito bom N.B!! De longe esse é o seu melhor texto até agora, isso que eu leio o blog desde o inicio haha. De vez em quando é muito bom pra nós leitores voce colocar um texto pessoal. Não pude deixar de me identificar em toda palavrea, virgula que voce escreveu, na verdade parecia que eu estava lendo um resumio da miha vida nas palavras de outra pessoa.
    Conforta-me saber que nao sou só eu que fico com medo ou inseguro de ir atras do que quer, pois sou como voce sei o que quero mas nao sei se tenho coragem de ir atras e enfrentar as consequencias. Como sou estudante universitario de medicina nao consigo trabalhar e ter uma independencia financeira, por isso, alem de temer ser ignorado pela familia e perder a ajuda financeira dos meus pais eu prefiro nao contar a "verdade" para eles.
    Entao hoje prefiro ter um convivio com tratamento frio e distante com a minha familia do que nao ter nenhum.
    Parabéns e obrigado N.B! De vez em quando coloque mais posts pessoais, abraço Rodrigo VossMuito bom N.B!! De longe esse é o seu melhor texto até agora, isso que eu leio o blog desde o inicio haha. De vez em quando é muito bom pra nós leitores voce colocar um texto pessoal. Não pude deixar de me identificar em toda palavrea, virgula que voce escreveu, na verdade parecia que eu estava lendo um resumio da miha vida nas palavras de outra pessoa.
    Conforta-me saber que nao sou só eu que fico com medo ou inseguro de ir atras do que quer, pois sou como voce sei o que quero mas nao sei se tenho coragem de ir atras e enfrentar as consequencias. Como sou estudante universitario de medicina nao consigo trabalhar e ter uma independencia financeira, por isso, alem de temer ser ignorado pela familia e perder a ajuda financeira dos meus pais eu prefiro nao contar a "verdade" para eles.
    Entao hoje prefiro ter um convivio com tratamento frio e distante com a minha familia do que nao ter nenhum.
    Parabéns e obrigado N.B! De vez em quando coloque mais posts pessoais, abraço Rodrigo Voss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rodrigo!
      Muito obrigado pelo comentário!
      Só tenho um ponto do seu comentário para comentar, pois me deixou pensando mto...
      "Entao hoje prefiro ter um convivio com tratamento frio e distante com a minha familia do que nao ter nenhum."
      Não sei de compartilho do mesmo ponto de vista. Esse convívio frio e distante, para mim, tem sido tão sufocante! Sinto que faz mal para mim e para a minha família, e dependendo, até que contar pode trazer benefícios, a não ser de um choro e uma leve decepção no início. Vamos ver no que dá...
      Enfim, sorte para nós =)
      Um grande abç

      Excluir
  22. Caara, adorei o texto. Acho importantíssimo mostrar-se nos textos, sabe? Somos todos humanos, com qualidades e falhas.
    Talvez isso seja uma divergência ideológica, mas eu prefiro os textos onde as pessoas se expõem e mostram mais um pouco de si. Porque é isso que os torna interessante. Isso que cada um tem de único e que também tem em comum com tanta gente...

    Curioso como eu sempre gostei do seu blog, mesmo você alegando essa impessoalidade. Eu acho que, ao contrário do que você disse, você sempre pôs um pouco de si nos textos e eu consigo enxergar isso... sei lá...

    Nos últimos dias minha cabeça tá num caos tão grande que eu nem sei se os textos e comentários que tenho escrito fazem muito sentido. Mas fica aqui a lembrança de que eu passei por aqui

    abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luis, fica tranquilo, fez muito sentido sim =)
      De fato, somos diferentes no interesse de leitura kkkk mas tá valendo.
      Obrigado pelo comentário!
      um grande abç

      Excluir
  23. N.B.,
    Até me emocionei lendo esse texto.
    Tenho uma ligação legal com esse blog. Quando você começou a escrever eu logo comecei a acompanhar o blog. Nessa época em 2011 eu vivia um momento muito bonito da minha vida e minhas horas vagas também eram usadas para ler seus textos e até fazer alguns comentários.
    Hoje me senti tão pessoal do N.B. e foi bonito sentir isso.
    Parabéns! Continue nos agraciando com seus textos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau, obrigado por estar há tanto tempo por aqui =) Fico muito feliz com isso, e obrigado por ter gostado do texto, pelos comentários e pela motivação!
      Um grande abç

      Excluir
  24. Grande N.B!

    Ao contrário de você, adoro coisas pessoais, carregadas de drama e feitas no calor do momento, e embora você diga que sempre usou de impessoalidade em seus textos, eles nunca me pareceram tão impessoais assim, do contrário eu não gastaria meu tempo lendo, pois acho que racionalidade em excesso tira o encanto das coisas, e seria como ler um manual de instruções de um eletrodoméstico antes de usar e perder a oportunidade de apertar e descobrir para que servem todos aqueles botões (hahaha...)
    Enfim, adorei o texto, de verdade, foi muita coragem admitir suas dúvidas, dilemas e sobretudo suas preferências musicais, ainda mais quando imagino que deva ter certa intimidade com algumas pessoas que passam por aqui.
    Era isso.

    É nóis!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Ti!
      Sabe que eu adorava o fantástico mundo de Bob quando era criança?
      Fico feliz que tenha gostado, e de fato impessoalidade demais tira um charme das coisas. As vezes parece geral demais... Adorei a analogia com os botões poaksopaksapokpsoka
      Um grande abç!

      Excluir
  25. Pedro Menezes - RJ

    Beexa, tava dando uma olhada por ali e vi teu blog. Tu arraza hein...
    Mas enfim... o que me chamou atenção foi o BH, vou começar a fazer faculdade aí em minas ano que vem... (chorando sangue) E vi que teu blog tem posts interessantes, então já o coloquei em minha agenda semanal. Beijos princeso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Beesha cremosa!
      Vem mesmo, famosh catar os boy magia tudo de bh na buatchy.
      Traz o bojo e a perooca.
      Brinks =p
      Obrigado por ler e pelo comentário! Bh está de braços abertos para vc, especialmente a savassi!
      Grande abç

      Excluir
  26. Sempre leio o blog, mas desta vez me identifiquei demais. Principalmente sobre ser o "primo que não namora".
    Até parece que estamos no mesmo armário!

    Um abraço and keep writing!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem sabe somos a mesma pessoa? paoksopaksak
      Abç, obrigado =)

      Excluir
  27. Não sei porque... sempre que leio teu blog me imagino dando uns 'pegas' em você. Entretanto, hoje, neste post, me imaginei numa trepada violenta contigo, pois parece que você escreve especialmente pra mim!

    Eu sei, eu sei... os outros ANÔNIMOS também pensam a mesma coisa, mas tô nem ae pra eles.

    Cara, seu blog é como aqueles aparelhos de ressuscitar. Quando estou triste venho aqui, começo a ler teus posts, fico mais triste ainda, mas depois parece que recebo uma descarga elétrica no peito e revivo, pronto para seguir em frente.

    Um abração,
    Anônimo dos Pampas. Sim, o sinal chega até aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oloko meo!
      http://www.youtube.com/watch?v=C52iQHEVJ9I

      Obrigado pelo comentário, de qqr forma =p
      Grande abraço.

      Excluir
    2. N.B.,

      Bah cara... não funfa mais. Acho que era placebo. Já li e reli vários posts mas a deprê não quer mais passar.

      É viadagem, mas acho que quero chorar.

      Excluir
    3. Bah tche
      que isso novinho, que isso.
      Foi de trepada violenta para depressão pós sexo assim, tão rápido? rsrsrs
      Deixa disso piá, depressão não vale a pena =)

      Excluir
  28. Tenho que te falar uma coisa. Ri muito do seu texto apartir daquele ponto onde você resolveu revelar os seus sentimentos, largando o "impessoal" de lado, chutando o pau da barraca, mostrando os seus preconceitos, medos, o seu lado feio. huahauahaa
    Você até então me passava a impressão de ser uma pessoa que tentava de toda forma manter o politicamente correto sob o controle, talvez pra não ser criticado, talvez pra ser admirado pelos seus leitores, por temer julgamentos ou mesmo por vergonha em admitir os seus gostos pessoais. De qualquer forma, eu gostei desta nova fase, mesmo detestando os funks que você adora. kkkkkk
    Prefiro mil vezes a espontaneidade cheia de erros do que textos tecnicamente impecáveis e sem personalidade nenhuma.

    ResponderExcluir
  29. Bom, fiz a conta do google!!!

    Querendo falar mais (eu sou o anônimo que escreveu aquele texto gigante!)
    Abraço

    ResponderExcluir
  30. Parabens pelo texto e pelas conquistas (2 anos + 100º texto). Sou um senhor (quase quarentao), tenho um relacionamento de 2 anos com outro homem e meu armario ja nao esta tao fechado, pois a mim nao importa tanto o que outros pensam (embora eu prefira evitar piadas tolas e os babacas de plantao). Um grande abraco de um amigo carioca.

    ResponderExcluir
  31. N.B, note o tamanho do retorno que esse texto te trouxe. Imagino quea essa altura não seja preciso dizer que isso mostra o quanto voce influenciou positivamente tantos.

    Vou mais longe e digo que voce já se tornou uma referencia, um ponto de apoio ou porto seguro a todos os que se sentem inseguros e/ou deslocados devido à sexualidade. Se voce esse tempo todo, no fundo sentiu insegurança, tente só ver as coisas de maneira um pouquinho mais ampla: Voce fez tudo isso mesmo se sentindo assim! Imagine aspossibilidades à medida que voce se tornar mais seguro! Wow.



    Sobre o texto, eu senti um pouquinho de "Isso tudo é grande demais para mim" nele? Porque pode não ser o caso, mas se for, bom, a cabeça faz isso com a gente uma hora ou outra na vida. Mas dá pra driblar. Pode não ser muito fácil, mas se alguma coisa em toda essa questão maior de que trata o seu blog fosse, ele não precisaria existir, não é?



    Por fim, sobre ser muito critico da monogamia, poderia ser um pouco de posição de desafio forte demais contra tudo o que é "mainstream"? Porque a coisa mais facil do mundo é começar uma militancia comedida em certa área e logo estar vendo "inimigos por toda parte". Talvez os muitos "tem que"s da sociedade sejam os problemas, mas não os "nesse caso eu quero"s.

    Espero não estar me desviando demais, como se quisesse te dizer o que voce está pensando. Mas são coisas que já me passaram pelacabeça e como acontece com varios aqui, me identifiquei lendo nos textos. Então, quem sabe?


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi senhor anônimo!
      Obrigado pelas doces palavras, e realmente fiquei muito satisfeito com o retorno do texto. Acho que faz sentido dizer que influencia positivamente, mas estou longe de ser uma referência.

      É, tem um pouco de 'isso é grande demais para mim' no texto mesmo. Como dizem, é preciso ser muito macho para ser gay. Dá trabalho, cansa, dá rugas estar no meio do confronto entre quem quer ser respeitado e quem quer continuidade, todos os dias.
      Não critico a monogamia por ser uma posição "underground", apenas não acredito que seja o mais satisfatório para nós, na condição de animal. Preciso confessar que não entendi a explanação que se seguiu =p Mas não se preocupe em se desviar. É bom.
      Um grande abç

      Excluir
    2. Então, o que eu quis dizer era que talvez voce criticasse a monogamia por ser algo "mainstream", ou seja, parte daquela lista de coisas que a sociedade não só aceita mas encoraja, como as relações heterossexuais, a "familia tradicional", etc.

      Como se voce extendesse sua luta um pouco alé, atingindo um ponto que não necessariamente é também um adversário.

      Não sei se me fiz entender melhor agora.


      Mas entendi o que voce disse e que não era isso que eu pensava mesmo.



      Sobre a monogamia, do ponto de vista animal não é o ideal mesmo. Mas somos como qualquer outro animal? Tomamos decisões com base no puro instinto?

      Antes que isso soe como uma pregação do "estilo de vida certinho e podado", explico:


      Ter uma regra social imposta que nos proibe de trair é ruim. Ponto.

      Porém, às vezes simplesmente gostamos demais de alguem a ponto de não sermos capazes de trair a confiança dessa pessoa. Simples assim. Pro inferno com o que diz a sociedade, somos só nós e as pessoas amadas. É essa conexão que pode acabar sendo mais forte que regras inventadas E instintos.


      Claro que isso vai de cada um. Mas, hey, pode acontecer.




      Novamente, força aí e, se não pensa ser uma referencia ainda, é só esperar.

      Excluir
  32. Caro, seu singelo texto suscitou em mim lembranças, não muitas remotas, de um tempo em que convivi com a triste ideia de suicídio e a alegre sensação da aceitação, esta, como visto, prevaleu, pois estou aqui, escrevendo... vivo! Na época, motivado, disinibido e auxiliado por uma boa psicoterapia, criei um blog: "não se suicide por ser gay", no qual compartilhei minha experiência buscando sensibilizar outros jovens quanto à valorização da vida, à aceitação.Lembra-se? Você me incentivou! Não se cobre quanto a ser o exemplo, o herói. Você se sente contraditório? Ótimo, você está exercendo sua humanidade, afinal, conheces, em matéria de ética, moral, costumes, exemplos, alguém perfeito? Quanto às cobranças, é inevitável não senti-las; somos pressionados em tantas dimensões, sobretudo, quando nossas origens estão no interior e, consequentemente, as convenções se alargam... Sobre investir numa relação, no amor, ou mesmo relacionar-se com uma mulher: "... ninguém pode aconselhá-lo e ajudá-lo, ninguém. Há apenas um meio. Volte-se para si mesmo. Investigue o motivo que o impele a escrever; (leia-se a relacionar, amar)comprove se ele estende as raízes até o ponto mais profundo do seu coração, confesse a si mesmo se o senhor morreria caso fosse proibido de escrever..." (Rilke)

    Forte abraço. Já provou bolo de rolo? rsrsrs
    A. Recife

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda bem que estás vivo ao escrever este comentário! Ia já fazer uma seção de exorcismo aqui caso tivesse se decidido pelo suicídio =p
      Sim, eu me lembro do seu blog, fico feliz que eu tenha tido algum impacto na sua motivação para continuar.
      Sabe que eu não sou uma pessoa de poesia, simplesmente pq tenho dificuldade enorme de entender, mas essa (com uma leve ajuda dos seus parêntesis) eu entendi? paksopakspapakpoa
      E curti! Linda, mesmo, e traduz muito bem o que eu deveria fazer, de uma forma muito bela.
      Obrigado por me ajudar.
      E não, ainda não comi bolo de rolo. Só rola com bolo, mas acho que não tem nada a ver... To livre para receber um por sedex!
      Um grande abç

      Excluir
  33. Gus-Recife

    A. Recife, conterrâneo!
    Já falei pra ele vir passar umas férias aqui pelo Recife e experimentar as delícias da terra (em todos os sentidos!! HAHAHA).

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por favor, quando vier, comunique-me via face, pra marcarmos de sair, eu, você e o Gus! Confraternização do armário, aí apresento meu namorado pra vcs...

      Excluir
  34. Amar mulheres, várias.
    (Amar homens, vários).
    Amar cidades, só uma - Recife.
    E assim mesmo com as suas pontes,
    e os seus rios que cantam,
    e seus jardins leves como sonâmbulos
    e suas esquinas que desdobram os sonhos de Nassau.

    Isso mesmo, Gus! Convite feito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. To vendo uma concentração desproporcional de pessoas de Recife por aqui. Tem mais que de bh, talvez? pakspoakskappaok
      Meu sonho ir praí, e ir seduzir na metrópole.
      Grande abç =)

      Excluir
    2. Gus/ Recife

      Tá vendo N.B., precisa vir pra Recife conhecer o público ferveção.
      Metrópole é legal, mas sedução MESMO, agora são as festinhas: Odara Ôdesce, Maledita, BregaNaite, Prainha.. Joga no google que vc vai ver o que tô falando. Pura sensualização, sedução e, por que não,destruição [ EIKE loucura!!!! ahhaha]

      Vem t'imbora pra Veneza Brasileira... Daí tu experimenta a delícia do bolo de rolo (não que "rola com bolo", como vc já disse ter experimentado, não seja ótimo) e o calor do povo recifense!!!

      Abraço rapaz!

      Excluir
    3. Sou de Olinda, que é praticamente colada em Recife ;)

      Mais um aí pra sua conta.

      Excluir
  35. Acompanho seu blog há mais de 1 ano e nunca comentei, me sinto estranho quando eu vou comentar, porque parece que o que eu escrevi não parece comigo. Bom, só quero dizer que esse foi o post que eu mais gostei. E também que penso muito parecido com você, em muita coisa, óbvio que acontece com muitos leitores, várias vezes parece que você tá falando da minha vida. (agora mesmo deu vontade de apagar tudo e nem comentar, sei lá porque tô escrevendo isso, abraço!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também quero dizer que este foi seu comentário que eu mais gostei! rsrsrs
      Obrigado pelo comentário, de qqr forma =)
      Um grande abç

      Excluir
  36. ola N.B., ja faz um tempo que leio seus posts no blog e me indentifiquei mto com esse texto... ate pensei que fui eu quem tinha escrito..brinks!
    Continue escrevendo e compartilhando aventuras conosco...!

    Um abraço

    PS.: adoraria um dia cv contigo!

    ResponderExcluir
  37. N.B, é possível sugerir um tema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro! Até 200 se quiser!
      Mas por favor não exceda 200.
      Um abç
      =)

      Excluir
    2. =)


      Ok, aqui vai:


      Voce já teve contato com alguem que não apenas não sai do armario mas julga correta a forma como as coisas são?

      Explicando melhor, seria alguem que defende ideais conservadores apesar de estes o podarem em seus direitos. Que defende a posição de certos religiosos e desaprova a militancia homossexual apesar de ser obrigado a viver escondido, fingindo não ser o que é.


      Pontos que me aparecem na cabeça incluem:

      - Quantos são?

      - O que os leva a agir assim?

      - Como diabos isso é possível? (tom de enfase combinada com surpresa)

      - Como isso afeta a dinamica do grupo (ou "os grupos"?) homossexual?



      Claro, não penso em momento algum em lhe ditar um roteiro para se basear, apenas estou tentando me explicar, expressar o que me ocorreu.


      Em resumo, o que pensar daqueles que valorizam a manutenção do mesmo status quo que as oprime?


      Pensa ser este um tema valido? Ou é algo irrelevante?

      Excluir
    3. Não sei, senhor anônimo. Mais me parece uma proposta para discorrer sobre a burrice humana. Não duvido que sejam muitos, não. Eles agem assim para tirar a atenção de si, e esse comportamento tá super conhecido já.
      Mas de qqr forma, obrigado pela sugestão.

      Excluir
  38. Não sei se me expliquei bem, mas não se trata de alguem usando isso como artificio para proteger o proprio armario, digamos.

    Eu me referia a alguem que emite esse tipo de opinião em contexto seguro, junto a outros gays e/ou apoiadores, que estão lá para ajuda-lo como este preferir.

    Não era o caso de procurar tirar a atenção de si.


    Mas pela sua resposta, acho que voce não chegou a ver isso. Será algo bem raro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, isso era uma resposta à sua resposta, N.B. Cliquei errado e saiu como novo post.

      Excluir
    2. Ainda não consigo entender. Mesmo entre gays, e sendo um também, o cara diz, por exemplo, que gays não devem ter direitos, ou que é "errado"? É muita incoerência para mim rsrsrs
      Nunca vi coisa do tipo, realmente. Se ele não quiser os direitos ou aceitação, tudo bem. Mas que ele não negue a chance dos outros serem aceitos ou terem os direitos.

      Excluir
    3. Isso mesmo! Voce entendeu bem sim.

      A linha geral de pensamento é "Sofro por ter que me esconder e temer os julgamentos mas a as coisas estão sim em seu devido lugar".


      Pelo visto me deparei com casos realmente isolados. Imagino que não tenha material para uma postagem, então.

      Obrigado pela atenção, de qualquer maneira!

      Excluir
  39. Oi, boa tarde, meu nome é Max sou de Salvador-Ba, ultimamente tenho vivido com muitas duvidas sobre mim. Aconteceu um fato que posso dizer que mudou toda a minha vida.
    Tenho um amigo de infância que tem a mesma idade que a minha 24 anos e ele tem um irmão 6 anos mais novo e esse irmão dele sempre me intrigo. Toda vez que eu vou na casa deles ele sempre me trata muitissimo bem, logo perguntei ao irmão mais velho se o irmão dele era gay e ele sempre ria e falava que não, ai perguntai:-mais as vezes ficou meio sem jeito porque na frente de seus pais ele me trata como se tivessemos algo, ele: -meus pais sempre nos ensinou a tratar bem as pessoas que frequentam nossa casa. Deixei pra lá não questionei mais. Mas, o carnaval passamos todos juntos e esse garoto veio com tudo pra cima de mim, dormimos no mesmo quarto e na primeira noite ele disse pra que veio. Quando fui dormir ele não hesitou, veio pra cima e começou a me beijar e eu com medo de seu irmão ou alguém chegar no quarto, mas ele percebeu que eu estava correspondendo e percebeu que eu estava dormindo sem roupa, ai também não hesitei e peguei ele. Passamos quase1 hora nesse quarto sem ninguém aparecer, achei estranho e comentei: -ninguém veio nos procurar. e ele respondeu: -falei para o meu irmão que de hoje você não escapava, pedi a ele pra trancar a porta por fora e ficar com a chave até eu ligar pra ele. Tomei um choque, como assim seu irmão. ele respondeu: -sim, ele sabe a muito tempo que estou apaixonado por você, por isso ele sempre leva você lá pra casa. Fiquei sem reação.
    No outro dia acordamos e todos foram para a avenida, ele já achou que estavamos namorando, só era eu chegar perto de uma garota que ele ficava com raiva e acabamos brigando e eu disse a ele que não estavamos juntos que eu gosto de garota que o que aconteceu foi um deslize que eu estava ums meses sem transar e acabei cedendo. Percebir que ele ficou muito triste. Passou o carnaval, mais continuei frequentando a casa dele e conversei com o irmão dele, e ele me disse tudo, que sabia do irmão e que ele está apaixonado por mim que chora todas as noites e que ele queria se desculpar mais não sabia como e que estava com vergonha de mim pelo fato do que eu disse a ele, que gosto de garotas. Mas o que ele não sabe é que desde de quando ficamos naquela noite eu não fiquei com mais nenhuma garota e que só tenho pensado naquela noite que foi perfeita e ao mesmo tempo estranha por nunca ter tido relações com um garoto, e que também estou começando a sentir falta dele da atenção que ele sempre me deu. No início do semestre ele me viu com um garoto da faculdade que "vamos dizer que não tem uma boa reputação" aos olhos da sociedade, foi visível o ciume dele, todos os meu amigos que estvão ao redor perceberam, no outro dia fui na casa deles decidido a colocar um fim nessa situação e por incrivél que pareça ele estava sozinho em casa, entrei ele me chamou para o quarto dele e começamos a conversar, ele nem esperou eu terminar a frase e veio pra cima de mim, me pedindo desculpas me beijando, ai tivemos outra transa. Nisso já faz quase um mes que estamos juntos, na verdade estou confuso, nunca imaginei isso acontecendo comigo. Mas o problema maior são as famílias... outra história que continuarei...

    ResponderExcluir
  40. Que porra... adorei o texto... N.B. como desejei ser seu vizinho, morando perto, podendo ser seu amigo.... acompanho o blog a muito tempo... a maneira como aborda os assunto é realmente impressionante... você é muito inteligente.... esperava a muito tempo por este momento em que fala-se um pouco sobre você... suas duvidas...desejos... você pode ater não achar interessante o tema N.B. mas para mim é intenso.. excitante... (desculpe o palavrão, acho expressivo e forte...não entenda mal... é uma exaltação de alegria)... um abraço...

    Caio....

    ResponderExcluir
  41. adoro ler os comentarios dO BLOGUEIRO e dos visitantes, enfim de varias pessoas, pois alguns de vcs tem duvidas, medos, receios, coisas que eu ... digamos a 20 anos atras sentia, e num tempo e em uma cidade onde tudo era mais dificil, interior do RS... Enfim, tenho uma dica, nao se prendam a rotulos, nao fiquem tristes de serem como sao, Deus criou todos e ninguem precisa ter vergonha da obra dele, precisamos nos aceitar e pronto, demora? claro que demora, mas um dia acontece... um dia cansamos e um dia depois de tanta pressao resolvemos sair do armario... e confesso que dai em diante tudo muda, o mundo muda, as pessoas mudam, vc fica mais leve e comeca a ver que vc nao eh um ser anormal, que seus medos e receios comecam a desaparecer e vc se permite... se permite conhecer pessoas, pessoas bem resolvidas, pessoas que te fazem bem e o mais incrivel de tudo: perceber que existe amor, familia, uniao, respeito entre pessoas do mesmo sexo, que existe casamento, pais e familiares que aceitam, enfim... o bixo papao desaparece... vc encontra amigos verdadeiros, que te consideram, fica FELIZ... hoje eu sou casado com outro cara, (tem 4 anos), me mudei pra SP tem 11 anos...casado antes por 9 anos com outro cara, casei novo, desafiei familia, sociedade, tudo e nao me arrependo. Hoje eu e meu parceiro estamos otimos, felizes, cunplices, todos os amigos sabem, familias sabem, no nosso trabalho sabem... gente tudo eh normal... a gente que por desconhecimento cria e permite o preconceito..., nos enscondendo e nao nos aceitando, nao precisa ser bixinha, nem afeminado, usar roupas de veadinho, ter trejeitos, gritar em todo canto, afrontar a sociedade, agredir vissualmente... mas precisamos ser nos mesmos, precisamos impor respeito e acima de tudo acreditar que ser feliz eh possivel, mas o primeiro passo eh se aceitar, o segundo eh assumir para as pessoas proximas, porque pensem, nao precisa esconder ou inventar historias.. eh tudo tao simples... e em terceiro lugar eh preciso estar disponivel para seguir em frente... acreditar que ser feliz eh possivel e se dar o respeito... claro que no comeco eh complicado, tudo eh mais complicado, eh um processo demorado, mas nada como o dia seguinte: o dia seguinte em que vc se aceita e vc assume pra quem bem entender... a vida fica doce, fica leve, obvio que nem tudo sao flores, mas precisamos entender que somos acima de tudos seres humanos em busca de harmonia e felicidade, entao vamos a luta... e boa sorte para todos, aproveitem os tempos atuais... onde tudo eh mais facil, informacao, tecnologia, aceitacao, etc e vamos ser FELIZES, pensem que uns anos atras nao se tinha celular, internet, existiam guetos onde ate a gente mesmo sentia vergonha de ir, hoje nao, hoje tudo eh mais rapido e facial.. vamos nos valorizar como PESSOAS que somos, independete da orientacao sexual que temos, porque isto , de fato, soh importa a nos mesmos... pensem nisto, abracos. jefferson

    ResponderExcluir
  42. Apesar de você não gostar muito, são os textos mais pessoais que acabam criando um laço mais forte entre você e o leitor. Quando cheguei aqui, procurava um blog que tanto discutisse temas relacionados com a homossexualidade, quanto tivesse relatos pessoais. Mesmo que cada pessoa seja um indivíduo com uma história única e particular, muitos eventos pelos quais uma pessoa passa também acontecem com outros tantos. Quando um leitor encontra isso num texto seu, acaba criando criando uma maior identificação com o autor. Por exemplo, eu gostei bastante dos temas abordados em diversas postagens, mas me identifiquei muito com o seu blog por você ainda estar no armário, mas já ter assumido para si mesmo a sua sexualidade. Esse é exatamente o momento em que vivo agora. Por isso, saber o que você fez, sentiu ou sua maneira de pensar acaba despertando mais curiosidade, mais vontade de saber até que pontos somos parecidos.

    Pelo tanto de comentários a este texto, imagino que você já tenha percebido o quanto relatar suas próprias experiências é algo desejado pelo seu público. Não precisa fazer disto um hábito, é claro, mas não é tão entediante como pensa ;)

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, foi uma gracinha todos esses comentários :O Dá muita motivação =D

      Excluir
  43. Olá N.B
    Pouco comento no seu blog, talvez seja por não escrever tão bem quanto você e aos leitores que comentam. Isso deveria ser considerado uma ignorância minha uma vez que cada um se manifesta da sua maneira, enfim, passei para deixar minhas felicitações quanto ao texto. Achei o conteudo "sua vida" muito interessante e com certeza deve continuar a escrever pois os textos serve de motivação para muitos jovens, como no meu caso.
    Sigo o seu blog deste o primeiro texto, não deixei de ler um sequer e isso me foi de grande valor, moro sozinho desde os meus 17 anos e para ser franco seus textos me deram motivação, me serviu como base para novos ideais.
    Hoje com com 20 anos, voltarei a morar com minha mãe na grande Belo Horizonte, não sei ao certo o que me espera, voltar a dar satisfação, voltar a morar "em familia" confesso estar com muito medo do que me aguarda, mais acredito que morar em Belo Horizonte vai ser de grande valor.
    Confesso que desde o inicio tenho muita curiosidade de conhece-lo, seja para falar da vida, discutir um pouco sobre tudo o que se passa aqui e do lado de fora. Agora morando em Belo Horizonte a esperança se renova, ou não, considerando o tamanho desta cidade, enfim, está de parabéns pelo texto, espero ter entendido o que eu quiz passar com meu comentário. Sou meio "menino maluquinho" então tentei ser o mais claro possível. Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  44. Oi N.B! Me chamo João e sou de São Paulo. Este foi o primeiro post que vi do seu blog e gostei muito! Assim como vc estou no armário, às vezes numa situação confortável e outras nem tanto. Reuniões familiares são críticas para mim devido sempre àquela maldita pergunta que todos me fazem: "E aí? Tá namorando?", é uma situação muito chata e às vezes me sufoca. Eu próprio fiquei durante um bom tempo achando que era uma "fase", que não... eu não era gay, poderia ser bi mas gay não! Também fico com garotas, as acho bonitas e tal mas falta algo... não me sinto atraído. Pra mim, o complicado é que não tenho com quem conversar, ter que manter um lado B escondido. Mas enfim, não era isso que eu pretendia falar hehehe, chega de sessão desabafo! Parabéns pelo blog e irei acompanhá-lo a partir de agora!!

    ResponderExcluir
  45. Digitei 2048 caracteres pra dizer que tenho uma vida parecida com a sua ou pior, : P. Mas aí a internet móvel caiu (oi, simples assim!). Quando tiver uma banda larga, mas bem larga mesmo, posto a música toda. Abrç.

    ResponderExcluir

  46. ...estou visitando seu blog hj pela primeira vez, parecia que era eu que estava escrevendo esse texto e não vc kkkkkk , me identifiquei muito com o que vc disse ai, como varias outras pessoas tb com certeza. Vc esta de parabéns pelo conteúdo e principalmente por esse texto. E muito bom saber que tem pessoas como eu por ai, muito bom saber que não sou único no armário, que não sou o único que tenho medo de alguém saber de minha opção sexual, que não sou único que tenho receio com minha homossexualidade ou bissexualidade, sei lá. Muito bom saber disso e ter contato com pessoas que passam por tudo isso tb.

    ResponderExcluir

#HTML10{background:#eee9dd ;}