Google+

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Frevo, samba e xote

    Minas é um estado mediano em todos os sentidos. Está no centro do norte/sul do Brasil e tem níveis de educação e de renda que são exatamente a média do país. Deve ser um senso comum que a educação de um povo e a melhor aceitação de gays estão diretamente relacionados. Mesmo que não seja uma regra aplicável a todos os bem educados, não podemos negar a alta correlação que existe entre as duas características. Ainda existem grupos muito especiais, como os meus companheiros engenheiros, que tem uma falta de jeito enorme em lidar com sexualidade. Estes não deixam de ser bem educados.
    Se fizermos uma análise imediatista do brasil, somos levados a acreditar que nos estados do sul as pessoas são mais leves com gays, enquanto nos estados do norte não. Mas será que isso se traduz no nível de satisfação que os gays locais tem na relação entre sociedade e sexualidade?
    Por aqui, eu sinto que lidar com assuntos sexuais de forma impessoal é mais fácil, mas isso pode expressar apenas a minha experiência. Existe muita concentração de grupos gays em vários pontos da Savassi (coração da vida notura, casas de show e boites de BH). Quando permaneço nas filas, por exemplo, nunca presenciei nenhum tipo de ofensa, evangelização ou outro problema. Na minha cidade natal, a 1a boite gay apareceu há apenas 10 anos, e não creio que havia local para socialização de pessoas sexualmente alinhadas por lá antes disso. Quando trago isso para meu grupo de convívio (amigos/família), isso se torna muito mais incômodo, mesmo que todos tenham um nível satisfatório de educação acadêmica. 
    Sempre tive a ideia de que no Rio de Janeiro esse tema é visto de maneira muito menos escandalosa. Não sei se é ilusão da mídia, ou se a Globo faz um trabalho inclusivo e mais intenso por lá, mas imagino que não deva existir melhor lugar para gays no Brasil do que a cidade do Rio de Janeiro. Não tenho ideia se isso se estende pelo interior do estado. Se bem que o estado é tão pequenininho que é até difícil imaginar que exista interior algum... Enfim.
    Em São Paulo, então, era de se esperar que, por ser um dos mais educados e o mais rico do Brasil, gays pudessem viver mais tranquilamente por lá. Porém, um dos problemas que ocorrem em lugares muito desenvolvidos é o aparecimento de grupos extremistas para defender o que eles 'conquistaram', como acontece muito na Europa. São Paulo é o estado com maior número de ataques motivados por homofobia, em porcentagem da população, e muitos casos ganham destaque pela brutalidade, como o famoso ataque da lâmpada fluorescente na Av. Paulista, ou do pai e filho que foram confundidos com um casal gay e foram agredidos, perdeu-se uma orelha, etc... 
Já conheci pessoas dos estados do norte que vivem uma vida gay quase plena e quase feliz. Em contraste, também conheci pessoas do sul que vão passar a vida sem ser vivida plenamente, exatamente pelo desconforto que causariam na sociedade local com sua sexualidade. 
    São muitas as variáveis envolvidas para se analisar como um local trata a diversidade sexual, porém suspeito que a satisfação individual com sua própria cidade está mais relacionada com o grupo que o cerca do que pelo próprio número de pessoas liberais da cidade. É claro que uma cidade com um grande número de pessoas liberais aumenta a chance de o indivíduo se sentir confortável com assuntos sexuais no seu núcleo de convívio, o que leva à genial conclusão de que há casos e casos. 
    Ou não? Qual o seu nível de satisfação com a sua cidade? Ela possui locais de socialização para gays, ou como muitos tem chamado ultimamente, "alternativos"? Ou ainda, será realmente necessário um local declarado para gay?
Um abç,
N.B.

39 comentários:

  1. Aqui em Porto Alegre, há espaços para gays, os locais alternativos, como se chamam!
    Porém, o pessoal daqui é de modo geral machista, sabe-se que o gaúcho é conhecido pelo machismo!
    Esse fato dificulta como tu disse em outro post, no caso de dois homens se tocando em público, ou demonstrando mais afeto em locais abertos!
    Realmente o meu sonho seria morar no Rio de Janeiro, onde existe uma maior aceitação da homossexualidade!!parece ser o melhor local para
    esse tipo de público, não?
    abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se esqueçam da Myriam Rios, e também do impedimento a se casar maior no Rio devido a um Juiz... Não se iludam com a "Cidade Maravilhosa"; falta muito pra ela ser Maravilhinda!

      Excluir
    2. Não sei ainda, mas pelos comentários abaixo me parece que quem vive no rio gosta muito de como o povo da cidade/estado lida com isso tudo.
      Gaúcho macho é? rsrs Ouvi falar disso, mas ouvi mto de nordestino cabra macho tb. Pra mim o gaúcho era só conversa, mas se vc está dizendo vou ter que acreditar :P
      Um grande abç

      Excluir
  2. Em primeiro lugar, quero elogiar o seu texto, muito bem escrito e... P***QUEPARIU! Que título sensacional! Genial! :)

    Bom, eu acho absurdo a necessidade de ter lugares destinados ao público gay. Não acho um absurdo a existência desses lugares. Acho que é essencial que eles existam, mas não devia ser.
    Entende o que eu quero dizer?
    Acho que o público gay deveria ter a liberdade de viver tão normalmente quanto qualquer casal hétero, independente do lugar onde estejam.
    Além disso, acho também um absurdo que a sexualidade da pessoa determine todo uma gama de características, como vestuário, palavreado e gosto musical. Eu, por exemplo, sou homossexual, mas me visto largadão, não uso jargões como "ahaza", "causando", "bee" ou seja lá o que for e curto rock'n'roll demais e detesto essas divas do POP.
    E ae? O que diabos eu vou fazer numa dita "boate gay"?

    Esse assunto é tão complexo e tem tantos emaranhamentos que não cabe num comentário só, então vou encerrar por aqui mesmo.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu caso é parecido com o meu, Luis Cesar; não faço o "gay estereotipado", mas também me divirto (muito raramente) quando vou numa boate, porque o objetivo ali, em primeira instância, é se divertir! Cada caso é um caso... ^.^

      Excluir
    2. Entendo perfeitamente! Infelizmente a necessidade de se ter lugares exclusivamente gays é exatamente uma consequência de não podermos nos encaixar fora (ou ainda não é seguro o suficiente para isso)...
      Ainda bem que eu curto algumas divas do pop também, mas mesmo assim Louis, tem boites gay que tem seus dias de rock. E bombam! Não sei se é sua praia, mas vc pode ir numa boite pra.. sei lá, deixar fluir um lado promíscuo e seduzir todos... hoihioioiho
      Obrigado pelos elogios! E um grande abraço.

      Excluir
    3. hahaha NB as vezes acho q o problema é esse! excesso de promiscuidade nas boates gays... Bem maior q nas heteros, eu acho!

      Excluir
  3. Concordo com tudo que o Luis Cesar falou!! Por que os homossexuais que não são afeminados só tem a "permissão" de ficarem mais a vontade com outra pessoa em locais alternativos?? Em nenhuma lei diz que os espaços publicos como teatros e cinemas são destinados somente a héteros...Mas como sou do Rio Grande do Sul acredito que hoje as pessoas estão aceitando muito mais facilmente uma relação homossexual do que a cinco anos atrás, não sei em relação a outros estados do Norte.
    Parabéns pelo texto N.B tema interessantíssimo! Abraço, Rodrigo Voss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado!
      Vou concordar com vc quando disse que as pessoas hoje são mais receptivas aos gays do que há 5 anos atrás. Afinal, a tendência é melhorar!
      Não resisti e joguei seu nome no facebook. Você tem muitos clones para poder stalkear :\
      Um grande abraço!

      Excluir
  4. de certa forma não existe aqui "interior".. rs E sim, o homossexualismo aqui é visto em vários lugares (não em todos) quase norma, bem quase mesmo. rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda vou aí conferir!
      Estive no estado do Rio no começo do ano passado, mas foi muito rápido e nem tive tempo de sentir isso. Estou ficando curioso para saber se é assim tão mais bem aceito =p
      um grande abç

      Excluir
  5. O meu maior desejo é poder conhecer um homem para namorar em ambientes que gosto de frequentar: biblioteca, livraria, universidade, no parque, na aula de natação ... Fico triste quando as opções de locais liberais são resumidos a boates rotuladas. Gosto de ir de vez em quando a uma boate, mas não é o local que frequento rotineiramente. Só para ter uma ideia nos últimos 3 anos só fui três vezes a uma boate, sendo que a última já tem mais de 1 ano. Estive no Rio de Janeiro em outubro do ano passado e para ser sincero não vi diferença p minha cidade e outras 10 capitais brasileira que estive. Lá você encontrará a concentração de gays nos locais esperados, ou seja, como em qualquer outra cidade que ofereça um espaço para o público GLS. Fiquei com um carioca na estadia no Rio, inclusive ele ficou hospedado comigo p termos mais privacidade. Pasmem! O cara não queria ficar em um quarto com cama de casal com medo de retaliação, sendo que os donos do local são gays. Depois eu percebi que a insegurança era dele, até na forma de dizer que era Bi como forma de não se aceitar ainda. Sei que cada um tem seu momento! Mas se o Rio de Janeiro realmente fosse o "paraíso" não era para existir tanta preocupação por parte de alguém onde ficar e locais específicos para o público GLS. Acredito que todas as grandes cidades e metrópoles oferecem redutos que possibilitem chegar perto de outro homem sem medo da retaliação. Mas bom será quando pudermos estar em qualquer ambiente e desfrutar do flerte ou troca de olhares que não se percam no horizonte!

    Abração N.B
    Um ótimo carnaval galera! =D
    Diego

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diiii meu bom amigo!
      E se, meu caro! E se, de repente, a gente tem mais medo de sofrer a retaliação, mas se tentássemos demonstrar afeto nesses locais que vc citou, nada sofreríamos além de olhares a mais! As vezes fico pensando se nos prendemos demais por conta do medo, mas claro que os riscos talvez não valham a pena.
      O seu amigo do Rio deve se encaixar no caso de não estar envolvido por um núcleo aceptivo, e por isso sua insegurança.
      Ótimo carnaval para vc tb!
      Um grande abç

      Excluir
  6. os estados em que acontecem maiores ataques homofóbicos são no Nordeste, é onde morre mais gente, em SP só são os casos que chegam a TV.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso não é verdade FOXX... Moro em Recife, e de vez em quando tem algo do tipo no jornal ou tv daqui, mas nunca vi como tem em Sampa!

      Excluir
    2. Fox, meu fileo, joga no google assim: "ataque homofobia", sem aspas, veja de onde são as noticias que aparecem, ai volte pra gente conversar!

      Excluir
  7. Em uma pequena cidadezinha da paraíba, com seus 2000~3000 habitantes, vi um casal gay (um deles, vereador da cidade), conversando juntinhos na principal praça da cidade, trocando carícias (embora discretas). Há um preconceito contra gays na cidade e principalmente contra negros. No entanto, percebe-se que essa minoria vive normalmente, uns com tantos bens quanto o grupo hegemônico, e não há relatos de agressões e situações desrespeitosas com os mesmos. Há situações e situações, pessoas costumam ser muito imprevisíveis, dependendo do lugar onde foram criadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico imaginando se esse preconceito contra negros, por exemplo, se manifesta publicamente com situações vexatórias para os negros, ou se passam apenas em conversas privadas.
      Fico feliz que no interior da PB o casal consegue ficar mais a vontade em público. Também imagino que, por ser uma cidade pequena, se eles fossem agredidos, imagino que a família dels ficariam sabendo quem foi, iriam tirar satisfação, poderia terminar em morte, e depois viria vingança da outra família, etc etc.
      Pq no nordeste é assim, o sistema é bruto!!!!!!! =P
      um grande abç

      Excluir
    2. hahahaha

      Não sei o que você anda assistindo, mas, até algum tempo atrás, realmente havia brigas sinistríssimas entre famílias no interior de PE. Não sei a quantas anda esse comportamento hoje em dia, mas espero que já tenha desaparecido.

      E, sim, eu sei que foi piada xD

      Excluir
  8. Falo da cidade Rio de Janeiro e por aqui o preconceito me parece ser menor do que em relação a outros Estados. A própria prefeitura estimula a turismo gay na cidade. Existem points gays bem específicos e nos demais lugares comuns a todos, o preconceito não é tão gritanteo nem violento. Eu me sinto bem à vontade com minha sexualidade nesta cidade, seja na Zona Sul, seja na Zona Norte.
    Gostei do blog, quero voltar mais vezes, abraço a todos e bom carnaval!

    ResponderExcluir
  9. Concordo e, de certa forma, sou exemplo da tua opinião de que "a satisfação individual com sua própria cidade está mais relacionada com o grupo que o cerca". Moro em Porto Alegre e vim do interior. Te digo, hoje em dia, todos correm o mesmo risco em qualquer cidade, extremistas e recalcados existem em todas as cidades.

    A sociedade está caminhando (a passos de formiga) para uma aceitação. Acredito que isso levará ainda uns 20 anos para estar como deveria, pois acho que a nossa geração (20-30 anos hj em dia) que já começou a mudar muito. Falo por mim, mas como disse, acho que sirvo de exemplo para muitos, o problema está no nosso círculo de pessoas próximas. Esse é o maior medo de qualquer um. Despir-se do que lhe foi vestido desde sempre e ir contra tudo o que esperam.

    Em Porto Alegre, tem lugar para todo mundo e vejo mais e mais a cada dia todos frequentando os mesmo lugares. A população lida normalmente com gays demonstrando carinho publicamente. Vejo o tempo todo. Para mim, isso ainda não foi suficiente. E aí, vou culpar a sociedade? Cabe a nós sermos a mudança que desejamos, não é à toa que espalham essa frase e outras semelhantes pelas redes sociais da vida. Por isso, sigo em frente. No meu tempo, mas já com o pé no acelerador...

    Como sempre, ótimo texto!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Chiquin!
      Obrigado pelas palavras!
      Não vou tirar e nem por no seu comentário =p
      Um grande abraço

      Excluir
  10. Nossa... muito bacana teu texto! Eu olho de duas maneiras... a primeira dela é a que você aborda no texto, em moro em uma cidade em que me parece haver uma população gay considerável, dentro e fora do armário. POr ser uma coisa ainda meio interiorana, há muitos casos de pessoas casadas, mas que todos sabem, por exemplo.

    Agora lendo teu texto me veio uma outra questão, a de como a pessoa interage com essa vida gay que a cidade oferece... eu conheço pessoas que frequentam lugares, se reunem em casas de outros amigos, promovem festas, se organizam para fazer trabalho voluntário e tudo mais. Preconceito sempre existirá, mas vejo que isso não impede as pessoas de tocarem suas vidas. Porém há outros que são mais "quietos"... não frequentam os lugares sabidamente gays, acabam sendo mais "reclusos"... (eu no meio deles, cof cof cof) Não que exista uma pressão ou um ambiente desfavorável, apenas não rola...

    Muito bacana essa sua discussão... grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Latinha! Obrigado pelas palavras!
      Espero que você tenha se referido a casais gays que são conhecidos! Porque também é muito comum, inclusive na minha cidade quase interiorana, casos de caras casados com mulheres e que as traem com homens. É o fim da picada =p Por outro lado, ainda não conheço nenhum casal gay (casado), nem em BH e nem e pela minha outra cidade. Suspeito de um no meu condomínio, porém... Acho até que eles tem um filho.
      Mas não entendo, porque não rola?
      Outro abraço!

      Excluir
  11. Muito boa a tua reflexão.
    Em Portugal só existem locais gays em duas cidades maiores, de resto a questão nem se coloca. O casamento entre gays é possível há uns anos, contudo as leis não mudam as mentalidades. Acredito que daqui a 10-12 anos será diferente.
    Mas falou-se por aqui no "turismo gay" e, embora não seja assumidamente gay, os locais simpatizantes existem um pouco por todo o lado e isso também me parece extremamente importante, por denota a existência de uma política comercial que ajuda em muito.
    Quanto à existência de locais gays, penso que devem ser uma opção, mas eu pessoalmente quando saio com amigos gays gosto de ir a bares/discotecas gays.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ola, eu nao concordo com uma coisa que disses-te. " O casamento entre gays é possível há uns anos, contudo as leis não mudam as mentalidades " nao mudam a curto prazo como é obvio, mas a longo prazo iram fazer muita diferença na sociedade em geral (curto prazo 5 ou 10 anos) longoo prazo (mais de 15 anos por ai fora)
      Tambem moro em Portugal ;) moras na zona de lisboa, porto ou outra ? ? ?

      Miguel 21

      Excluir
    2. Concordo com Miguel quando disse que as leis mudam a mentalidade no médio/longo prazo. Mas quando disseste que daqui a 10 anos será diferente, entende-se que as leis mudam sim a mentalidade =p Enfim...
      Os lugares simpatizantes que vc, sad eyes, mencionou, ficam muito próximos dos bares e boites gays, pelo menos aqui em BH. Nada mais natural, não é mesmo? =p Desconheço bares simpatizantes que são localizados fora desse raio de atração das boites rotuladas.
      Um grande abç aos lindos colegas lusitanos.

      Excluir
  12. O caso é de cunho pessoal, ao meu ver, pois se você está de bem consigo mesmo, não importa o local, você vai saber se impor pelo auto-respeito! Eu já cansei de sair com meus amigos e com meu namorado a tira colo, e sempre ficamos no carinho, e nenhum lugar se atreveu ainda a vir nos censurar... Enfim, se você se sente bem com sua sexualidade, não é o local que vai ditar as regras! Beijos e abraços para todos, bom carnaval!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom carnaval pra vc tb Mavia!
      Falei para Diego ali em cima exatamente isso que vc escreveu. Não chegar dando um tapa na cara da sociedade, mas de se permitir em público. Acho que a gente tem mto medo de retaliação, quando ela pode nem existir se a gente tentar :P
      Um grande abç;

      Excluir
  13. Bem.. aqui na Bahia o povo é machista pelo que percebi, (tenho uma história parecida com a sua N.B., por vir do interior), não percebo aki muito espaços voltados para esse publico, mas em parte vejo que as pessoas toleram, e muitos amigos gays temem sofrer constrangimentos como já aconteceu em uma festa num bar em frente a um bar famoso de minha faculdade devido a um beijo...Mas basta vir carnaval que parece que as coisas desparecem e muitos gays saem das tocas, ou seja, é de veraneio as retaliações sumirem, fui na capital essa semana e vi o quanto os gays lá são mais libertos pra se expressar, como toda cidade grande, porém percebo que ainda existem os guetos escondidos, refúgios e não lugares de total lazer para quem precisa de conforto...

    ResponderExcluir
  14. Nasci e fui criado na cidade do RJ e acredite que qdo digo que aqui existe interior pq realmente existe! rsrs

    Mas fora isso a cidade em sim favore mto os gays no sentido que vc falou, o preconceito existe, isso é fato, porém, comparado a outros locais é mto melhor e mais "fácil" de se viver aqui. A populaão já não tem tantos problemas como antigamente. Existe um extremista aqui e outro ali. Um religiosos doido e etc. Mas vc não escuta casos com frequencia aqui de brigas, assassinato e coisas do gênero aos gays. Claro que ocorrem aqui é bacana mas tbm não é a disneylândia dos gays.

    Mas qdo se trata de lear uam vida mais tranquila aqui e com menos receios é mto mais fácil principalmente em bairros da zona sul, qdo se vai lá vc vê casais gay de mãos dados, dando um bjo ou fazendo um carinho com mto mais facilidade que em outros lugares do país. Não conheço quase nada de Brasil, mas tenho amigos pelo país a fora e qdo eles falam do que passam o RJ realmente parece uam mãe de braços abertos.

    Bravus

    ResponderExcluir
  15. Moro no interior do Rio, e, não sei se pelo círculo de amizades ou por a cidade ser predominantemente evangélica, me sinto mais reprimido aqui do que na cidade que morava anteriormente - uma cidade no interior de Minas, predominantemente católica. Mais uma vez, não sei se é pelo círculo de amizades ou por esse fato aí da religião.

    Eu tenho essa impressão. Não sei se vocês também. Os católicos tendem a aceitar mais facilmente os gays do que os evangélicos.

    ResponderExcluir
  16. Recife tem vários points gays até um antigo bairro da cidade chamado Boa Vista,por ter grande concentração de gays ele é apelidado de Boa Bixa, até uma loja de conveniência de um famoso posto de gasolina virou point gay na capital pernambucana, dia domingo no Recife antigo ( bairro histórico da cidade com casarões do Inicio do Séc XX) fica repleto da comunidade colorida, que andam de mãos dadas e se beijam e tchan. E a própria comunidade está acostumada,passa olham uns até fazem ar de reprovação porém não passa disso, não agridem nem xingam. Antigamente Nordeste era terra de cabra macho, mas hoje Fortaleza e Recife são a capital as bibas do nordeste, nunca vi tanto gay na minha vida,parece que surgem como pipocas da panela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gus - Recife

      Ô raiva de ter chegado tão atrasado no post, mas...
      Recif tá bombando memso, como disse o amigo aí de cima. Não sei se é pelo fato de eu estar frequentando mais ambientes "alternativo" / gays, mas venho percebendo que os gays da cidade estão bem resolvidos quanto, onde se divertir. Inclusive, as melhores festas do Recife, atualmente, são alternativas e vêem sendo invadidas por cada vez mais héteros e simpatizantes.
      Claro que eu acharia massa se a gente, quando tivesse vontade, pudesse parar na calçada e dar um beijo na pessoa que gosta... Mas acho que as coisas estão caminhando por um bom trajeto.

      N.B., grande abraço e parabéns pelo texto!!

      Excluir
  17. Ola N.B

    As colocações de espaços e território são a demarcação basica que identifica um grupo.

    Qdo vc abordou este tema percebi que então que todos os espaços da sociedade ja foram demarcados em grupos, sociais, raciais e principalmente sexuais.

    A curto e medio prazo não seremos integrados ao convivio nos espaços publicos, muita pretensão para uma grande maioria que ainda depende de guetos escuros para se assumirem, porém ha uma minoria que consegue a luz do dia transitar dentro das hostilidades impodo-se de forma consistente.

    Porem impor-se não requer afrontar o meio em que se vive, observo alguns gays beijando em espaços abertos, assim como para heteros, acho de uma imensa pobreza auto afirmativa. Demosntração de carinho não tem nada a ver com sexo ou sexualidade.

    abrs

    J.r

    ResponderExcluir
  18. Recife realmente está melhorando porém quando passo por certos locais ainda vejo o olhar de medo em certos locais. Na praia de boa viagem e principalmente piedade são pontos que vários casais de namorados andam de mãos dadas fazendo caminhadas e que muitos caras gays andam ,lá tem muitos olhares e flertes fora os pontos de pegação que me disseram que tinha. Não acho arriscado camihar sozinho para quem está no bom e velho armario por ali e quem sabe fletar com alguém e se der em algo a mais era apenas uma caminhada. Boa viagem cada dia que passa fica mais diversa e fico muito feliz quando vejo casais de amigos gays e heteros juntos é assim que deve ser. Quanto ao preconceito nesses locais é quase nulo as vezes raramente um olhar mais indiscreto mas não passa disso. Ass:Carlos

    ResponderExcluir
  19. Quanto ao gênero musical na boate que frequento que é gay metropole toca de tudo todas as noite tanto eletronico,axé ,rock(que vejo muitos caras gostando inclusive eu),pagode,arroccha e Pop no bar brasil que fica em cima toca de tudo agora em baixo é só eletronico vc escolhe o que acha melhor. Só fui até hoje a essa boate gay por que simplesmente ela é diversa tem de tudo e todos os públicos. A s s: Carlos

    ResponderExcluir
  20. Bacana. Mesmo morando em Olinda minha vida toda, tinha muitas coisas sobre Recife que não conhecia e que o pessoal falou nos comentários ^^

    A gente sabe que a situação ideal seria que em qualquer espaço público houvesse convivência pacífica entre héteros e homos (ou qualquer outro grupo). Mas como isso não existe ainda, pelo menos que existam locais específicos para gays. Isso já é um começo. Pouco a pouco, mais áreas se tornam mais receptivas à diversidade. Não sei se é utópico demais imaginar cidades inteiras desprovidas de preconceito, mas não haver frequentes crimes de homofobia eu diria que é um sonho possível.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  21. "O ataque da lâmpada fluorescente" , puxa, isso dá um espetacular nome de filme !

    ResponderExcluir

#HTML10{background:#eee9dd ;}