Google+

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Notas rápidas 10

    Não tenho muito para falar, mas já tem um tempo que não posto. Resolvi, então, postar algumas fotos com um texto para disfarçar, e também desabafar, pois uma coisa muito interessante em BH, e por vezes muito irritante, é a secura exagerada das relações impessoais. Eu sou de um interior suficiente para me dar um sotaque óbvio por aqui, e lá, na grande maioria das lojas, o atendimento me recebia com um "bom dia" ou um "pois não?", e fechava a relação com um "obrigado", no pagamento. Principalmente em padarias, que são lugares de grande peso para começar o dia bem. 

    Em BH as coisas são bastante diferentes, e tenho notado que é mais e mais comum eu não ganhar nem um "obrigado" na saída. Isso sem falar das vezes em que o atendente substitui o "pois não?" por outros iniciadores menos polidos, e que me fazem meditar por alguns microssegundos se devo ou não apontar a aspereza da abordagem. Me sinto como se o funcionário estivesse fazendo um favor para mim, e eu devesse ser grato à chance de ser atendido por ele. Isso vale para funcionários públicos e privados, mas sem generalizar.
    Também, quando me mudei para cá, adorei a ideia de poder praticar a desatenção social com meus vizinhos do condomínio: aquela desatenção que te permite passar por uma pessoa sem olhar nos olhos para não ter que cumprimentar (ou constrangê-la). A premissa de cada um no seu quadrado é ótima, mas a desatenção tem me incomodado muito ultimamente. Gosto de dizer um "bom dia" com um sorriso quando encontro vizinhos pelas escadas, e não espero uma cara amarrada deles como resposta, com um "bom dia" pronunciado como se doesse, e que acontece frequentemente. 
    Fico pensando se fui mal acostumado com o interior, ou se tenho a cara muito desagradável para inibir pessoas de trocar palavras comigo. Ou talvez eu não seja tão carrancudo assim, e o atendimento de BH seja realmente digno se demitir muitos funcionários e reeducá-los. Ou talvez só falte simpatia às pessoas, simpatia que algumas pessoas podem considerar sua importância debatível nos dias de hoje... 
    Ou talvez eu seja chato demais. Só me esforçarei para não me tornar mais uma carranca nesse mar, apesar da tentação.

Um abç, e bom fds. Aliás, hoje é terça... Hábito.
N.B.

18 comentários:

  1. o problema é o q o seu bom dia expõe a falta de educação deles.

    ResponderExcluir
  2. juliano alves pergunta: O que vc achou do documentario "leve me pra sair"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conheço o documentário. Vou procurar e ver do que se trata.
      abç

      Excluir
  3. Realmente. Isso é muito chato. As pessoas na minha cidade também são muito ásperas e impessoais (pessoas impessoais. hahhaha! Doce ironia...).
    Não devia ser de tanto esforço assim conseguir um bom dia =/
    Mas enfim... as pessoas são estranhas... acho que temos que nos acostumar com isso.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, eu prefiro não me acostumar com esse tipo de estranheza rsrs Acho melhor reclamar e ver se muda alguma coisa
      um abç

      Excluir
  4. Meu amigo, você não foi mal acostumado no interior, pelo contrário, você foi muito bem educado! As pessoas é que com a desculpa da pressa, ou da "cidade grande", aproveitam para expor seu egoísmo e falta de educação.

    Muitas vezes eu abaixo os olhos e apenas dou um sorriso, por timidez, mas sempre que possível faço questão de dar bom dia, perguntar se as coisa vão bem...

    Até que as vezes que eu fui a BH não me chamou a atenção essa "desatenção" das pessoas... é uma pena!

    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá latinha, obrigado pelas palavras.
      Fico feliz de saber que o problema não é comigo rsrs
      Talvez eu sinta isso mais profundamente pois estou aqui todos os dias. Estive em minha cidade recentemente e relembrei a cordialidade do povo de lá. É muito agradável.
      Um abç

      Excluir
  5. Não é só em BH, Lisboa é tal e qual. Encontrar uma pessoa do interior da cidade que diga bom dia com simpatia em impossivel.

    Miguel 21

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tinha ouvido falar da individualidade exagerada do europeu, principalmente no norte. Ainda vou visitar para comprovar se são tão mais desatentos que os brasileiros.
      Um abç

      Excluir
  6. Estava pensando isso esses dias, não passo isso com vizinho graças a deus são todos maravilhoso, até por todos me conhecerem desde criança e também não se metem na minha vida porém sei e demonstram que querem me ver bem. Esses dias comecei a notar os ex colegas de escola a maioria passa por mim sem falar um bom dia nem que seja por questão de educação como costumo fazer, é sempre tão frio , os seus vizinhos pelomenos vc nunca teve um maior contato eu já tive com os meus ex colegas o que faz tudo ficar ainda mais estranho acho que é a pressa,correria e a total falta de ligação e de educação das pessoas com as outras. Carlos

    ResponderExcluir
  7. As pessoas se tornaram secas de tudo... Por conta disto a depressão, solidão e doenças diversas surgem e acabam com elas. Afinal para que serve viver se não sabe ao menos ter educação, que no meu ponto de vista é respeito a agradecimento ao Universo pela vida!

    Joseph Roche

    ResponderExcluir
  8. Oi, N.B., tudo bem? Gostei do texto, combina um pouco com algo que venho pensando ultimamente... O mundo adulto é cheio dessa de estresse por coisa pouca. Trabalho em uma empresa de internet (numa cidade não tão longe de BH) com suporte técnico e é comum demais as pessoas esquecerem que se forem mais educadas, solucionar o problema com a internet torna-se muito menos frustrante. Ser gentil é tão fácil. O problema maior, é que o dia todo eu soluciono o mesmo problema, converso com várias pessoas de diversos assuntos e isso acaba ME tornando um desses "estressadinhos" e nada educados. O que eu faço? É tentar parar de culpar todo mundo, afinal de contas não é o mesmo cliente que liga toda hora.

    ResponderExcluir
  9. Sem querer ser inconveniente com uma postagem dupla, é só para corrigir o que escrevi:
    "O problema maior, é que o dia todo eu soluciono o mesmo problema, converso com várias pessoas de diversos temperamentos sobre o mesmo problema*"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sei, Ed. Lidar com suporte técnico deve ser um dos maiores testes de paciência do mundo. A pessoa já está ligando, achando que o serviço da empresa é ruim e muitas vezes já querendo xingar.
      Como você disse, é bom não tentar culpar o mundo pelas nossas frustrações, e começar a mudança por nós mesmos. Não é o que diz aquela frase de efeito da Globo? Gentileza gera gentileza. Mas mesmo assim, paciência para nós =p
      Um abç

      Excluir
  10. Interessante o seu post. Já eu, como atendente, vejo exatamente o contrário. Quando atendo com simpatia e educação, e como se eu estivesse a invadir o espaço alheio, e muitas vezes isso me torna frio com os demais. Não tento ser simpático, simplesmente sou, em especial, com aqueles que não chegam carrancudos ou com escudos armados. O cliente pede um atendimento ruim, quando chega esperando educação e simpatia quando ele mesmo não os tem, já o contrário também é regra. Se chegar com simpatia e educação, raramente será mal atendido!

    ResponderExcluir
  11. Falta de educação e de gentileza. Sempre notei que em BH o atendimento é péssimo... Mas pode aguardar, isso vai melhorar.

    ResponderExcluir
  12. Aqui em Recife/Olinda também não é lá grandes coisas. Moro em uma casa e não conheço quase vizinho nenhum. Se passo na frente dos que não conheço, também não cumprimento. Isso tem um pouco de timidez envolvida, mas essa frieza não é algo estranho, pelo contrário. Acredito que seja antes uma regra que uma exceção nas capitais.

    Nos estabelecimentos, a mesma coisa. Pra usar o exemplo da padaria, não me lembro de ter chegado alguma vez a cumprimentar com um boa tarde, ou ter recebido de alguém, apesar de que eu nunca esqueço de agradecer. Mas ninguém tá de cara amarrada nem coisa parecida - alguns estão até de bom humor. É simplesmente falta de costume mesmo.

    Quando morei em Piracicaba - SP, eu sentia que o pessoa esperava bem mais cordialidade do que eu estava acostumado, então era "bom dia/boa tarde/boa noite" a toda hora. Aliás, foi o período em que fui mais cordial em toda a minha vida. Era esquisito, mas eu entendia que era hábito das pessoas e eu tava lá pra me adaptar à cultura local, não o contrário.

    Cordialidade é bom, mas não quando vai te gerar um sentimento de ofensa caso a pessoa não corresponda ao que você espera dela. Simplesmente pode não ser costume dela. Ou ela pode estar num dia ruim.

    Abraços.

    ResponderExcluir

#HTML10{background:#eee9dd ;}