Google+

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Boladão

    Quando era mais novo, e um pouco mais bobo, lembro-me de ter ficado curioso ao ver que os pênis dos homens que eu via em fotos ou videos, americanos em sua maioria, eram tão diferentes do meu. Estaria tudo bem se fosse só um caso, afinal, ninguém é igual a ninguém, mas os seus pênis seguiam um padrão. 
    Eu já havia tido contato com outros pênis, desde muito cedo, com coleguinhas em situações sortidas, das quais me absterei dos detalhes. Inevitavelmente, havia a observação e comparação, o que me deixava mais aliviado ao ver que os nossos seguiam o mesmo padrão, mas ainda diferente dos atores americanos. Nunca havia questionado isso com ninguém, afinal, soa suspeito para o rapaz que assiste pornô e presta atenção do pênis ao invés da mulher.
    Ao longo dos anos, as coisas foram ficando mais claras, com o advento da circuncisão ao meu vocabulário, a qual alguns dos meus amigos foram submetidos. Um deles até ficou com o apelido de fimose desde que sofrera a operação, aos 13 anos, eu acho. Daí, era uma questão de tempo até ligar os pontos e perceber que os pênis dos modelos e atores que eu via eram, também, circuncidados. A questão era, porque existiam tantos pênis assim, se a única razão que eu conhecia para fazer o procedimento era a famigerada fimose que apenas uma parcela mínima dos meus amigos tinham?
    Depois de algum tempo e pesquisa, descobri que era uma coisa cultural, e me adentrei mais no assunto. Gosto muito de me referir aos EUA (_de novo, N.B.?), como uma sociedade muito interessante, bem sucedida, onde tem-se liberdade de pensamento, de negócio e democracia, mas com algumas anomalias épicas que contrastam escandalosamente com sua imagem de país desenvolvido e moderno. 
    A história da circuncisão é antiga, e faziam-na desde muito tempo antes da descoberta do Novo Continente, por motivos higiênicos e religiosos. Ela é obrigatória (estou aberto à correções) para judeus, muçulmanos e alguns cristãos que queiram seguir as escrituras estritamente, pelo acordo de Jeová com Abraão (ver Gênesis 17:10). Quanto à higiene, eu assumo que, como antigamente não havia Dove Fresh e nem o costume de se lavar todos os dias, o prepúcio facilitava o aparecimento de infecções e mau cheiro.
    Se por um lado os motivos que levam a maioria dos americanos a circuncidarem seus filhos não é religioso, por outro o real motivo é mais desnexo e doentio que esse. Sabe-se que apenas uma ínfima parte dos americanos são judeus ou muçulmanos e não chegam a 3% somados, enquanto aproximadamente 80% dos homens são circuncidados (mapa legal).
    Em algum momento da história dos povos que deram origem aos americanos atuais, houve uma massiva campanha moral anti-masturbação, lá pelo século 18. Para completar, alguns doutores vieram com a ideia que a forma mais eficaz de se evitar que um menino explore seu corpo com mãos, é fazer com que isso não seja atraente. Quando se corta o prepúcio, a glande fica completamente exposta ou pouco coberta, fazendo com que o prepúcio fique justo demais ao corpo do pênis e a masturbação seja desconfortável. A masturbação com o pênis circuncidado é feita com lubrificantes, em alguns casos.
    Hoje, continuam-se circuncidando os meninos, não por motivos de prevenção de infecções e nem para se evitar a masturbação, mas simplesmente por inércia. Alguns dos pais dizem que querem que seus filhos sejam iguais aos pais, ou que eles sofreriam preconceito dos coleguinhas se fossem diferentes. Motivos bobos à parte, também li que algumas mulheres (inclusive mães a favor) preferem o pênis circuncidado. Porém, não peso muito esse lado por ser o gosto uma questão individual, mas isso priva o bebê da escolha.
    O procedimento é horrível. Eu tenho um lado obscuro em mim que procura vídeos perturbadores na internet, e hoje assisti um bebê sendo circuncidado. O procedimento é feito sem anestesia, por algum motivo que ainda pesquisarei para colocar aqui. Preciso confessar que este é um dos vídeos mais perturbadores que já assisti e entrou para o meu top 10 de vídeos desse tipo. Eis o motivo que escrevo esse texto (para quem tiver estômago forte, link aqui).

    Felizmente, hoje, existem campanhas e grupos que defendem o fim desse procedimento que não sejam por motivos de saúde. Como não é reversível, alguns defendem deixar o menino crescer e decidir por si próprio, além dos argumentos usados sobre o risco do procedimento como perda de sensibilidade pela queratinização da glande, cicatrizes inevitáveis e enormes, deformações em alguns casos e trauma. Submeter o bebê a esse procedimento torturoso, em favor da estética dos pais e da tradição, não me parece muito diferente dos rituais de mutilação genital que ocorrem na África. 
Esses americanos...
E o que os senhores pensam sobre a circuncisão por motivos estéticos?
Um abç.
N.B.

51 comentários:

  1. GUS- RECIFE

    Bem, muito pesoalmente, eu não acho atraente um pênis circuncidado. Na minha cabeça, a glande totalmente exposta me faz lembrar um cogumelo, uma bolha...sei lá. Além disso, deve ser completamente desconfortável se adaptar a glande roçando na cueca o tempo inteiro.
    E não sei vocês, mas o 'freio' é um ponto BEM sensível na hora H.
    ;D
    Para fins estéticos eu sou contra. Como dito no texto, já li algo sobre perda de sensibilidade por conta da glande exposta.
    Quem faz com fins religiosos, não tenho como questionar, já que crença é crença.
    E quanto à higiene, pélamor né?!! Vamos arregaçar essas cabeças e lavar meu povo. Sem necessidade de corta, etc e tals...
    Fora que o jogo de 'esconde x amostra' que o prepúcio proporciona deixa a coisa mais interessante!! [safadénho, eu?!?!]

    É isso...

    N.B. bom lhe ver nos post de novo!!
    Abraço!! E pro Lucas também!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eta! Eu acho pior quando fazem por fins religiosos rsrs
      Imagine, o bebê com pais judeus, por exemplo, cresce e decide ser budista, mas já tem a marca do judaísmo como se fosse marcado a ferro. Não acho razoável assumir a religião do bebê a mesma dos pais. O pobre bebê nem pensa ainda! Nem pode dizer não, ou que não quer, ou questionar =(
      Até entendo a cirurgia por estética, afinal, gosto é gosto. Mas desde que seja de vontade própria, no adulto, e não para ficar igual ao resto dos meninos, como alguns pais americanos fazem em seus filhos.
      Tem uma coisa sobre esse esconde x mostra, que diz que algumas mulheres ao verem a glande exposta do marido ficam excitadas, enquanto o marido está apático ao sexo no momento, o que pode levar a mulher se sentir rejeitada... ou coisa do tipo. mas é só uma hipótese. =)
      Outro abraço!!

      Excluir
    2. Nossa N.B., eu penso completamente igual a você. Se formos aceitar certos hábitos apenas por serem crença teríamos que aceitar a mutilação genital feminina como algo normal, o que com certeza não é, muito pelo contrário, é desumano. Sou agnóstico, mas não creio que isso interfira na minha conclusão final, já que digo isso movido muito mais pelo meu lado humano. Circuncidando uma criança por simples motivos estéticos você, primeiramente, a priva do direito de escolha, assim como de sensações que um pênis circuncidado não pode sentir. Eu tinha fimose quando criança, mas na puberdade meu prepúcio se soltou da glande , acho que pelos 12 anos. Por isso também acho a circuncisão precoce muito arriscada.

      Excluir
  2. N.B., seu fofo (obrigado pela visita, by the way), vc arrancou TODAS as palavras da minha boca. Nossa, eu tive uma discussão bem longa na faculdade ao comparar a circuncisão com outro rituais de mutilação genital, como a extirpação do clitóris. E os argumentos são sempre os mesmos: "higiene blá blá blá"... "Ora", eu objeto nesse caso, "então vc deveria cuidar em fazer a remoção cirúrgica das suas unhas, ou em depilar a cabeça a laser."
    É simples e puramente uma questão de inércia, como vc colocou muuuito bem. Se por acaso se considera machista retirar o clitóris de uma mulher para que ela não sinta prazer, não seria ainda mais machista um ritual que marcaria na carne do homem (leia-se pessoa do sexo masculino) o seu vínculo com Deus? Ambos os procedimentos têm justificativa religiosa, mas a primeira, pelo menos, demonstra "preocupação" com o gênero feminino. A própria religião cristã, especialmente o Catolicismo, vê no sexo nada mais que um instrumento de reprodução, então por que se chocar?
    Cri que isso demonstraria a fraqueza dos dois argumentos: o pró-circuncisão (higiênica) e o anti-extirpação do clitóris (sexista), mas me senti falando com as paredes. Aparentemente, a conclusão a que se chega é a de quem é circuncidado não precisa tomar banho.
    Inclusive, gostaria de agradecê-lo por isso, não conhecia os perigos da circuncisão (exceto, apenas, por saber que "todo procedimento cirúrgico envolve riscos). Lembrarei deles nos meus próximos embates do gênero.

    Abraço apertado.

    ResponderExcluir
  3. Fazer tal procedimento cirúrgico em bebês ou crianças de pouca idade eu considero inadequado, tanto do ponto de vista clínico quanto psicológico, visto que se o pós-operatório não for muito bem feito, pode-se ter um problema em função disso. E também porque o procedimento é um pouco desconfortável, e pode levar a criança a desenvolver traumas em relação ao seu órgão genital.
    Porém, discordando um pouco do que foi dito, mesmo se tratando de uma cirurgia, acho que o termo "mutilação" que foi utilizado não é muito adequado. Grande parte das pessoas que tem fimose, ou seja, aquele excesso de pele, tem um desconforto muito grande por não conseguir expor a glande do pênis com facilidade e por não conseguir fazer a correta higienização. Além do mais, é indiscutível que a limpeza quando há essa pele deve ser muito mais cuidadosa e mais demorada, tanto para evitar infecções quanto para não dar mau cheiro.
    Ao contrário do que diz a lenda, a cirurgia não diminui a sensibilidade, não dificulta a masturbação e o contato com a cueca também não incomoda. Inclusive, após a retirada da fimose, ganha-se muito em qualidade de vida, além do que o aspecto do pênis fica muito mais apresentável, por assim dizer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anônimo, pelo menos concordamos sobre os bebês! =)
      Não me referi ao termo mutilação como a cirurgia de fimose e sim à circuncisão em bebês. Entendo que a correção de fimose é absolutamente necessária, como você disse, e não me posiciono contra esse procedimento. Assista ao vídeo, de estômago vazio =)
      O que me incomoda é o fato de fazerem isso em bebês por estética/tradição/laço com deus, mesmo nos que não apresentam fimose. A cirurgia de fimose não deixa a pele tão justa quanto nesses procedimentos. Para se masturbarem, alguns homens tem que usar lubrificante (ou cuspe) porque não tem o prepúcio que cobre e descobre a glande nos movimentos, como acontece com os não operados. Isso é fácil de fazer hoje, afinal, qualquer um sabe que usar o cuspe ajuda na masturbação, seja porque viu alguém fazer, ou ouviu de algum amigo. Mas e antigamente, quando pouco ou nada se falava sobre isso, como o menino ia descobrir?
      Eu, particularmente, acho incômodo quando minha glande entra em atrito com a cueca. Talvez pela perda de sensibilidade, assumindo que ela aconteça, os circuncidados não sintam esse incômodo.

      http://www.covenantcircumcision.info/keratinised.html

      E quanto à limpeza, algumas mães também disseram que preferem circuncidar seus filhos do que ter que tocar nos seus pênis para limpar. Dessa forma até parece que isso tem um ar sexual... Mas eu, de novo, nunca tive infecção por sempre ser instruído a lavar meu pipiu, e da forma que devo fazer.
      Se demora mais? Creio que demora o mesmo tempo que se leva para lavar um cortado: apenas o tempo de ensaboar e enxaguar, 20 segundos ou menos. Hoje, o argumento da limpeza não funciona, mas era um problema quando não se preocupavam com isso. O cheiro será o característico do pênis, desde que se faça a devida limpeza.
      Quanto ao aspecto, um pênis com fimose é horroroso, de fato. O aspecto e a qualidade de vida de quem tem essa deformidade certamente melhoram depois da cirurgia de fimose. Agora, comparando um pênis natural (sem fimose) e um cortado, o melhor aspecto fica subjetivo. Mas vale a pena?

      Excluir
  4. "Submeter o bebê a esse procedimento torturoso, em favor de uma estética distorcida e da tradição, não me parece muito diferente dos rituais de mutilação genital que ocorrem na África." excelente comparação.

    ResponderExcluir
  5. Olá, fui operado com 4 anos por ter fimose. Sim, pelo que costumo reparar, tenho muito menos sensibilidade, e é necessário o uso de lubrificante para a masturbação. Eu acho muuuuuuuuuito mais bonito os pênis que não que não sofreram tal processo e sinto até vergonha do meu =/.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moço, vergonha de que? hahaha
      eu to ficando com a sensação de que nós dois somos uma minoria que prefere o natural, vc tá no lucro =)

      Excluir
  6. Fiz a postectomia (esse é um dos termos) no final do ano passado, tenho 25 anos. Não tinha problemas de higiene ou qq doença infecciosa, mas precisei fazer por causa de uma pré-fimose e uma frenuloplastia. De início fiquei muito apreensivo porque existe muito material na internet contra o procedimento, além do que eu não fazia ideia de como ficaria, se eu teria cicatrizes, se eu só poderia me masturbar com lubrificantes, se teria que usar cuecas mais largas para não incomodar...
    Porém, a cirurgia foi super tranquila, e a recuperação mais ainda. Realmente ficaram cicatrizes, mas meu cirurgião fez um trabalho tão bom que elas praticamente não aparecem. Não tenho nenhum tipo de desconforto, minha sensibilidade continua normal, e me masturbo muito bem, obrigado kkk e sem lubrificantes! Sem contar que o sexo, que já achava bom, ficou ainda melhor. Quanto à higiene, depende muito do quanto o cara consegue exteriorizar a glande nos casos de fimose. Esteticamente, depende do gosto, para mim ficou ótimo kkk.
    Sei que existem casos e casos, mas em bebês, por estética, eu acho errado. As concepções do que é belo e do que é feio mudam muito de pessoa para pessoa. Por outro lado deve se levar em consideração que na infância a recuperação é mais rápida e melhor. Enfim...
    Quanto às fotos, gente, não se apeguem tanto a esses exemplos, eu sou profissional da área da saúde e sei que o que se encontra na net geralmente são os piores dos piores casos, uma minoria.
    Gostei muito do post e gosto bastante de ler seu blog, N.B. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu ficaria apreensivo por causa da anestesia! hahaha
      Uma dúvida que tenho é se depois desses procedimentos sobra alguma pele do prepúcio para recobrir o glande, ou se a glande fica totalmente exposta, como no caso da maioria das realizadas nesses bebês que citei. Não sei se vc vai voltar para falar sobre o seu caso, mas deixo aberto =)
      Um abç.

      Excluir
    2. Depende, NB, cada caso de circuncisão deixa um pouco mais, ou menos de pele...em alguns ainda "sobra" alguma coisa que flacidamente recobre percentual da glande, em outros as incisões são tão "rentes" à base da glande/corpo do penis que mesmo mole, ela fica exposta... Vai de médico pra médico, de "mão pra mão" na hora de "cortar a carne". Já tive experiência com caras onde flácido recobria parte, e com os que eram totalmente expostos. Quanto menos pele, e mais exposto, mais trágica era a falta de sensibilidade do sujeito...e que pena, pois todos eram belos espécimes do gênero masculino, mutilados e sem uma cartela peniana de prazer na cama, devido a isto.

      Excluir
    3. E aí NB, td bem? Voltei rsrs. Então, não sei em relação a outros casos, mas a minha pele recobre a glande sim quando o pênis está mole, não completamente, mas o suficiente para não incomodar. Quanto à anestesia, meu médico disse q geralmente fazem com uma local, mas em mim ele fez uma raqui, pois a recuperação é mais rápida e o inchaço bem menor. Tomei um sedativo antes e fiquei tão grogue q além de não sentir a anestesia nem vi o anestesista aplicando uahsuahs.
      Li nos comentários abaixo sobre queratinização. A glande fica sim mais seca porque ela deixa de ficar oclusa e isso provoca uma adaptação do organismo, mas como disse antes, isso varia de pessoa p pessoa. Quer q eu mande uma foto? kkkk zuera
      Abração
      Diogo F.

      Excluir
    4. Ahh, foi o que imaginei! Nunca conversei com algum cirurgião ou urologista sobre isso, mas suspeito que nas cirurgias de fimose é preferido deixar o suficiente para recobrir a glande, pelo menos parcialmente.
      Essas cirurgias dos americanos cortam bem rente, como o Eduardo falou acima, e deixam o corpo do pênis bem justo à pele. Dessa forma, mesmo quando moles, eles apresentam a glande exposta, que não foi o seu caso pois a cobertura dela permitiu a hidratação e evitou a queratinização :OOO
      Estarei esperando pelo foto (Y)
      Um abç..

      Excluir
  7. Não só estético, continua sendo prático em relação à higiene.É inegável que a "manutenção" de um pênis circuncidado é muito mais fácil e mais duradoura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo que a manutenção é inegavelmente mais fácil, mas ao se quantizar o fácil, creio ser desprezivelmente mais fácil, a ponto de não valer a pena.

      Excluir
    2. "Manutenção mais fácil"? Se dê um tapa na cara por mim pra ver se acorda, rapaz! Diga-me que puxar sua pele e lavar em volta da glande é tão, mas TÃO mais trabalhoso assim do que lavar em volta da glande..... oi??? Acorda cara.

      Excluir
  8. Muito bom o tema N.B. parabéns.

    Eu achava que era apenas por motivos religiosos e de saúde que isso acontecia, ate teve uma vez que uma amiga minha me perguntou pq tinha homens que faziam essa sirurgia e eu disse que era coisa de cultura e alguns caso doença, mas vejo que estou errado.

    Na minha humilde opinião a circuncisão em bebes por qualquer motivo ,a não ser por saúde, é totalmente errado.
    Já em pessoas mais crescidinhas C3 ai vai da escolha de cada um, se acha mais bonito ou mais fácil de limpar, mas pelo menos é uma escolha do próprio individuo.

    N.B \o/ eu não sou circuncisado e também prefiro os naturais, não sei exatamente por que, mas também não tenho nenhum problema com os que são u_u afinal vc escolhe o cara por quem ele é e não por saber se é circuncisado ou não.(pelo menos assim espero)

    Pessoalmente eu sinto um certo desconforto quando a glande toca a cueca, mas acho que isso vai mais do costume mesmo. E sobre a higiene pra min eu não demoro mais do que alguém circuncisado para limpar o meu pénis.

    ResponderExcluir
  9. "circunciDado"

    @Tópico
    Sinceramente, levar em conta a justificativa 'higiene' pra fazer essa operação, nem deveria se levar! Qual o trabalho que dá arregaçar a pele da cabeça do pau pra limpar?! /bandiporco (KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK)

    Qto a "bater punheta", eu já bati num que era operado, e não teve diferença... Acho que quem não gosta é mais de costume mesmo de não ver com freqüência (esse que eu disse, foi o único na minha vida!)... Enfim, cada um é cada um, e como bem disse o Álvaro-kun aqui em cima, escolhemos por afinidades, não por aparência (tá, sei... hehehe)!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrsr Ta Maviaelson claro que eu vou levar a aparência em conta mas acredito que as coisas dariam mais certo se considerarmos as afinidades mais do que a aparência. Mas com certeza que eu quero um companheiro bonito u_u ,e também qualquer coisa eu o obrigo a fazer academia ;D (como se eu pode-se falar alguma coisa ^^’)

      Excluir
  10. Circuncisão devia ser proibida, é muito feia. O pênis, depois de um tempo, a glande cria uma camada de pele por cima, além de adquirir uma aparência seca nojenta: http://i.imgur.com/HiWLG.jpg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, alguns precisam dela D:

      Excluir
    2. Pois que fique só para quem precisa.

      Excluir
  11. Aí N.B., que tal uma enquete pra ver qual o pessoal acha mais "bonito"? Operei de fimose e sempre fiquei com o pé atráz por isso :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Moço, vc que operou de fimose me responda! Depois disso, quando o pênis tá flácido, ainda sobra pele para cobrir a glande, mesmo que não completamente?
      É uma ótima sugestão :O Estou seriamente considerando =)
      Um abç

      Excluir
    2. A minha e totalmente descoberta mesmo flacido não tem qualquer excesso> acho que circuncisões devem seer assim deixar totalmenet descoberta

      Excluir
  12. N.B., qdo o pênis tá flácido, sobra sim... Não cobre totalmente, mas mais de 50%!

    ResponderExcluir
  13. Sem delongas, acho horrível, e não gosto de parceiros que sejam circuncisados, pois têm muito, muito menos sensibilidade nervosa (adoro xupar e sentir que o cara está viajando em prazer sensorial), sem contar que acho feio a glande exposta... sem seu "embrulho" para ser alegremente desempacotado por mim nos momentos a dois (ou mais). Ela gera muito prazer natural pelo "vai e vem" da glande dentro de si... e os motivos biológicos são incontestáveis: a natureza é mais inteligente que o homem, e não colocaria esta estrutura se não tivesse utilidade.

    ResponderExcluir
  14. Eu acho errado e compartilho com a visão do N.B. sobre querer aceitar tudo e forçar outro ser humano a seguir um padrão por motivos de estética, sem chance de deixá-lo escolher o que acha melhor.

    Sobre os pintos... sinceramente não ligo tanto para a aparência. Circuncidado, normal, com a "capinha"... o que importa é que consiga ficar mole ou duro quando necessário :)

    Não sou circuncidado e tenho um pouco daquela pele que recobre o pênis. Quando ereto, a glande fica toda exposta normalmente e consigo penetrar ou me masturbar normalmente, sem uso de lubrificantes. Claro que usar melhora bastante, mas creio que isso vale para qualquer pessoa.

    Quando flácido, em posição de defesa, a glande fica mais escondida e eu até acho melhor, não gosto dela roçando na cueca. Nunca tive queixas de ex ou do meu namorado. Por sinal, ele até gosta de brincar de esconde-esconde com o garoto, quando ele está mais ou menos. Também nunca tive problemas com higiene.

    Aliás, falando em higiene, um pedido que não tem tanto a ver com o post:

    MENINOS, LEMBREM DE SECAR O PAU DEPOIS DE FAZER XIXI E LAVAR AS MÃOS!

    Acho horrível aqueles mictórios porque aquilo incentiva os caras a mijarem e não secarem os resíduos com o papel higiênico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso ae lucas.... mijou, SECOU porra... ser macho não é ser porco ;)

      Excluir
    2. Gus-RECIFE

      Viu, falei que o jogo de 'esconde-esconde' deixa a coisa interessante, quando não se é circuncidado!!
      ;D

      Excluir
  15. Eu assim como um dos anónimos que postou acima também fiz a postectomia um pouco tarde, por causa de fimose...

    A cirurgia é bem tranquilo e depois de uns 2 meses nem se sente mais diferença quanto a glande ficar solta pela cueca... hehe
    Só no começo é que incomoda um pouco, mas agora nem lembro que fiz a cirurgia!

    Quanto a masturbação, tive que mudar a minha "ténica" pq eu fazia de um jeito que realmente não dá mais..., mas não preciso usar lubrificante e agora faço de um jeito diferente, mas nada que tenha prefudicado o objetivo final... eheh

    Enfim, não acho que se deva fazer a circuncisão em crianças por motivos religiosos ou estéticos, isso deve ser uma decisão de cada um, e não dos pais...

    E no final das contas não tenho preferencia não, pra falar a verdade o pênis não é algo bonito nem de um jeito nem de outro... ehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São sim.... :D Penis bonitos são as coisas mais lindas que andam por aí :)

      Excluir
    2. "[...]pra falar a verdade o pênis não é algo bonito nem de um jeito nem de outro..."

      Ah, cala a boca. =)

      Excluir
    3. Ah, cala a boca ll.. Hehehe.. Esse cara eh hetero ou oque? Lâmpada fluorescente na cabeça dele! Hehehe

      Excluir
  16. Hey, N.B!

    Desculpe falar sobre algo fora do tema da postagem, mas já ficou sabendo disso?

    http://www.estadao.com.br/noticias/geral,marta-suplicy-ve-retrocesso-no-combate-a-homofobia,884609,0.htm

    Veja essa e outras materias relacionadas.

    Creio que seja uma boa sugestão para tema futuro. E vejo um grande perigo aí. Boa hora para toda a categoria se unir, imagino.

    Até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Indo por esse lado também e saindo do tema (desculpas desde já), achei um absurdo essa notícia e já que você N.B. gosta tanto de ler o G1 e os comentários, poderia falar algo à respeito também.
      Abraço
      http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/06/discussao-sobre-cura-gay-opoe-deputados-em-audiencia-na-camara.html

      Excluir
  17. Opa, link errado, me desculpe.

    http://www.estadao.com.br/noticias/geral,confusao-marca-audiencia-publica-sobre-projeto-que-legaliza-a-cura-gay,893046,0.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anônimo!
      Para começar, eu acho esses títulos que os jornais (ou seja la quem for) dão aos projetos de 'cura' ou 'cartilha' gay são extremamente sensacionalistas pois causam a impressão de que são projetos grandiosos, com chances de serem aprovados! Mas não são.

      Não se preocupe, o Brazil ainda é um país civilizado, temos entidades acadêmicas influentes e respeitadas, de todos os ramos, psicologia e médicas, que dão seu parecer técnico de que isso é ilógico. Projetos como esse nunca seriam aprovados, mas ganham repercussão pela temática, e isso é intuitivo. Imagine, o Brazil sendo o único país democrático onde se instruem a cura para gays. Isso pode levar a uma denúncia por violação de direitos humanos na ONU.

      Esses deputados (os de sempre, neh?) precisam mostrar que estão defendendo as ideias de seus eleitores, que são tão atrasados quanto seus 'projetos'. Isso é propaganda, e o melhor a fazer é não dar atenção para que o apelo sensacionalista não seja eficiente.

      E não se preocupe em divagar sobre outros assuntos. Tentarei amadurecer essa ideia para que possa tranquilizar quem lê esse tipo de reportagens. Obrigado pela indicação, mas não consegui ler os textos. Fiquei muito exaltado =(

      Excluir
    2. Olá, sou eu de novo.

      Entendo seu ponto, mas penso que o mero fato de tocarem nesse assunto, de tentarem, é uma demonstração de que esse país não é tão civilizado assim. Mostra que definitivamente o que impede o retrocesso é a luta e não um sistema moral evoluído que se sustente sozinho.

      Sem contar que esse tipo de coisa instiga aquelas mentes já preconceituosas a acharem que tem alguma razão, ou seja, dá munição!

      Se com toda a propaganda anti-homofobia, não vemos muito avanço, imagine com propaganda contraria?

      Então, meu medo nem está necessariamente na possibilidade de esse projeto ser aprovado, mas no que isso faz à parcela (grande) preconceituosa dessa "audiencia" que fica atenta aos acontecimentos.

      Excluir
    3. Gente com esse tipo de idéias existe em toda parte do mundo, mesmo nos países mais liberais da Europa Ocidental. Se defendemos o livre pensamento, temos também que lidar com esse lado que diverge do que acreditamos. O bom senso e o peso da maioria impedem que algumas dessas ideias virem regras, como essa cura que não será aprovada. Preconceito sempre existiu e sempre existirá, não só contra homossexuais, e cabe ao mundo conseguir conviver com os seus próprios (ou até nós mesmo, eu por exemplo sou cheio de preconceitos que até me envergonho de mencionar por aqui), e assim não minar a liberdade dos alvos desses preconceitos. Em outras palavras, se não gosta de certo grupo, o problema é seu, conviva com isso e mantenha isso para si. Hoje, ainda, não é o que observamos :P Mas as pessoas cansam e eu tenho esperanças.

      Excluir
    4. Acho que em uma sociedade todas as liberdades tem limites. Não consigo ver como a de expressão deveria ser diferente. E isso não seria o mesmo que uma ditadura. As coisas não são 8 ou 80.

      Liberdade de expressão não é o mesmo que liberdade de discriminação ou de ofensa.


      A expressão livre de um pensamento que consista em rotular e discriminar, sem conhecer, não está no mesmo patamar da expressão livre de um pensamento que não fere nem reduz certo grupo a cidadãos de segunda classe.


      Então não, essa proposta no legislativo não é fruto de uma liberdade de expressão valida.


      Se não somos livres para agredir fisicamente outra pessoa, não o somos para faze-lo moralmente, classificando alguem como "doente" apenas para satisfazer nossas emoções negativas.

      Um país onde vigora uma cultura mais civilizada saberia entender isso, sem se sentir "calado à força".

      Não vivemos em um lugar muito civilizado, meu caro.


      Bom, espero não estar importunando demais. Até mais!

      Excluir
    5. Não se preocupe, não está =)

      Como se diz, a liberdade de um termina onde começa o direito do outro. Ter sua liberdade e direitos respeitados são os limitadores da liberdade alheia e, em princípio, parece um sistema auto-regulável. Concordo que expressão não deveria ferir o direito à dignidade e honra, por isso a liberdade de pensamento pode existir desde que se mantenham suas opiniões ou desafetos com grupos específicos para si, e assim o princípio da auto-regulação é preservado.

      Esse mesmo mecanismo é responsável pelas consequências da exposição de ideias. Mesmo que sejamos uma minoria no meio de um país conservador machista e cristão, esse tipo de proposta está sendo duramente retaliado por grupos intelectuais, por alguma mídia (mais comum em editoriais e colunas) e por pessoas sensatas fora do meio glbt, as quais pude perguntar casualmente. O resultado é que esse pensamento repercute pelo imenso conjunto de bobagens de que trata e não se enraíza, mas pode ter consequências não calculadas pelos seus defensores no congresso ao perceber que estão sendo motivo de piada e contra-ódio.

      E insistindo nesse lado de que mesmo sendo uma minoria numa região não favorável, ainda temos nossos direitos garantidos e possíveis ameaças a ele barradas, o que indicam um mínimo de civilização e educação.

      Excluir
    6. Olá, sou eu de novo.


      Interessante o que voce disse, N.B.

      Tenho mesmo ouvido falar em uma visão diferente da democracia, onde esta não seria uma ditadura da maioria, mas um sistema onde todos encontram seu espaço.

      Acho que isso se assemelha mais à noção do estado laico, em vez de essa visão "somos maioria logo exigimos crucifixos nas repartições públicas" que temos aí hoje.

      Aparentemente quase ninguem entende que ditadura da maioria não é algo justo.

      Defintivamente a minoria não deve se dobrar à vontade da maioria ou ser tratada como cidadãos de segunda classe.

      Espero que um dia todos vejam isso.

      Excluir
  18. Olá, sou o "anônimo" do post 22 de junho de 2012 22:35

    Bom, falendo sobre mim, mesmo quando está flácido, não sobra NADA >.<
    Fica simplesmente a cabeça, toda pra fora =/.
    Demorei pra responder porque andei meio ocupado com a faculdade/trabalho, peço desculpas.
    E a enquete, vai rolar? :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi anônimo, obrigado pela resposta =)
      Pelo que fiquei sabendo, e ao contrário do que coloquei em algum comentário ai em cima, é possível sim que toda a glande fique exposta depois da operação de fimose. Com o seu caso e outros que descobri, a hipótese de que nessas cirurgias o médico deixava um mínimo de prepúcio para o recobrimento da glande ruiu >;F Cada caso é um caso, neh =)

      Excluir
  19. matéria legal...
    nunca tinha reparado... e realmente e diferente mesmo
    foi ate legal que eu tinha uma outra ideia do que era circuncisão...
    bem gostei do blog...
    abração

    ResponderExcluir
  20. Olá caro N.B.
    Desnecessário, é o que penso quanto a esse procedimento ser realizado simplesmente por estética ou tradição. Não tem nem o que discutir sobre isso, desnecessário.

    Att. Mr. FG.
    http://queermrfg.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. esse procedimento cirúrgico deve ser realizado com o consentimento da pessoa, ou seja, não em Bebês.
    Já que em alguns lugares do mundo é questão de religião, ou cultura não posso me opor a isso.
    Já até questionei um professor uma vez na sala de aula quando ele estava falando que não podemos aceitar que em alguns países africanos eles cortem o clítoris de bebês do sexo feminino (como se o masculino tivesse né), mas isso é algo que não somos nós que devemos mostrar que é errado, pois isso não vem de dias, mas sim de séculos, são os próprios moradores dessa região (e frequentadores dessas culturas) que devem lutar pelo direito da filha ter o clítoris e sentir o prazer na hora da relação sexual. E o professor ficou abismado, mas quero ver ele chegar em uma comunidade de 15000pessoas falando que isso não pode ser feito e isso isso e aquilo. Na teoria tudo e mais fácil, mas quantas pessoas acabam se "coçando" para mudar algo em relação a isso?
    EU acho que a glande não deve ficar exposta, pois é muito bem inervado e tem uma sensibilidade gigantesca, o médico deveria deixar o mínimo de pele para cobri-la quando está flácido.
    e em relação a higiene, pelo amor de Deus né gente, se acha difícil lavá-lo quando ereto, espere ele ficar flácido retraia a glande e pronto, facilidade e agilidade na higienização do "brinquedinho" sahusuahu
    a dificuldade será praticamente a mesma.
    abraços

    ResponderExcluir
  22. Precisei fazer essa cirurgia quando tinha 5 anos por conta de fimose. Curiosamente, essa época da cirurgia ficou bem marcada na minha mente: no dia D, lembro de estar no quarto com minha mãe, cochilar e sentir um líquido no nariz, tipo aqueles descongestionantes nasais. Acordei depois da cirurgia, de fraldas e, sei lá porque, tomando coca cola. Vomitei algumas vezes naquela noite como reação à anestesia. Depois disso, lembro que vivi dias "normais" até o momento de retirar o curativo. Como qualquer criança ingênua que não sabe o que espera por ela, deitei na mesa e o médico (ou enfermeiro, sei lá) começou a tirar os esparadrapos. Em algum momento ele me elogiou por ser corajoso (incrível como ainda lembro desse detalhe) e, depois disso, ele chegou num ponto crítico em que a gaze tinha grudado a pele. Aí já viram, né? Não tenho recordações da dor (graças a Deus), mas lembro claramente dos meu berros ecoando pela sala. Sempre fui um rapaz quieto, mas, nesse dia, certamente devo ter chorado a plenos pulmões, como nunca em minha vida (talvez no nascimento). Depois disso, lembro muito pouco e suponho que tenham sido dias "normais".

    Hoje em dia, me acostumei com a aparência do meu pau e acho até mais bonitos os circuncidados hehehe

    Não tenho como comparar como seria a sensibilidade se não tivesse passado por isso, mas ele está looonge de ser pouco sensível hehe. Na masturbação, até gosto de usar lubrificantes, mas na maioria das vezes me masturbo sem.

    Em geral, a sensibilidade da glande não me incomoda dentro da cueca, exceto quando fica em certos pontos (tipo mais ou menos na junção da perna com a virilha) em que mover as pernas significa roçar a glande na perna e/ou na cueca e estimular uma ereção. Aí tem que intervir e por tudo no lugar certo hehe.

    Concordo com quem diz que esse tipo de cirurgia só deveria ser feito por motivos de saúde. Em casos estéticos e religiosos, deveria ser uma decisão do próprio indivíduo quando adulto.

    Abraços.

    ResponderExcluir

#HTML10{background:#eee9dd ;}