Google+

quinta-feira, 7 de julho de 2011

E quantos somos?

    Muitos. Mais até do que podemos contar e, finalmente, vamos tratar de números. Fontes oficiais informaram que a parada gay reuniu uma multidão de 4 milhões de  pessoas, aproximadamente. Isso representaria uma parcela de 2% da população do país, somente naquela região de São Paulo, naquele dia
    Desse número crú, que a primeira vista parece muito baixo, já tiramos o mínimo de pessoas alternativas que existem no país. Agora, considerando todos os gays assumidos que não foram à festa, seja por opção ou por restrição, e que seja de São Paulo ou não, esse número sobe mais. Também considerando a parcela mais significativa de gays - na minha opinião - que são os casos de armário e que não se manifestam nesses números, como eu e muitos leitores, esse percentual da população brasileira que é gay ou bi explode. 
    Uma pesquisa feita pela USP em 2009 tentou medir a proporção de gays entre a população de algumas capitais brasileiras. Eu particularmente ainda tenho minhas dúvidas quanto aos números obtidos, mas quem quiser ir a fundo e checar as fontes fornecidas pela Wikipedia, sinta-se a vontade para me informar da veracidade e confiabilidade dos dados. =)
    A pesquisa diz que 19% dos homens do Rio de Janeiro são gays ou bissexuais. Isso significa 1 em cada 5 e é uma quantidade bastante significativa. Na minha querida BH esse número cai para 10% dos homens e curiosamente 7,7% em São Paulo, que eu acreditava ser a capital mais gay no Brasil (no bom sentido). Em números absolutos, com certeza SP é a maior.
    A Wikipédia internacional mostra uma média de 5% de homossexuais como componentes da população de diversos países. Não pude averiguar os métodos usados mas pode ter sido feita uma média dos números das capitais e cidades interioranas, que tradicionalmente tem um índice menor. A pesquisa brasileira mostra apenas o índice de capitais, que são os redutos das comunidades gay e talvez por isso os números são maiores.
    Então, Rio de janeiro aí vou eu!
    Surpreendentemente, o índice de mulheres que se auto declaram homo ou bissexuais é menor que o de homens em quase todas as cidades, exceto em Manaus. Essa foi a única capital em que o índice de mulheres lésbicas ou bi excedeu o de homens.
    O número médio de homens e mulheres alternativos no rio é de 15% e é aproximadamente a mesma percentagem de evangélicos no brasil, a fim de comparação. Mas os evangélicos não tem problema em se declarar ou até fazem isso com orgulho, por isso esse percentual pode ser mais próximo do real. Por outro lado, fazer esse tipo de pesquisa com gays é muito complicado. Muitos não revelam a verdadeira sexualidade pela paranóia de sempre: medo de ser descoberto e coisa e tal, apesar de as pesquisas serem geralmente anônimas. No final das contas, esses números devem ser muitas vezes maior, e talvez não sejamos uma minoria tão menor assim. ;D
     Abçs e ótimo fim de semana

27 comentários:

  1. AHSUAHSUH é verdade, o número de gays ou bi é uma coisa crescente mesmo. Já vi até em uma tirinha sobre a Globo.com em 2030 sobre Parada Hetero em São Paulo xD
    É meio engraçado mas sei lá, pra mim um dia o numero de homos e bi um dia ficará maior que o de heteros...

    ResponderExcluir
  2. Se já não é; se for contar os "do armário"

    ResponderExcluir
  3. oi rafz =)
    não sei se ficará maior, é meio ambicioso isso, nao? rsrs
    pra mim todos sao bi, tem desejos em diferentes niveis pelos dois sexos mas apenas alguns se permitem. talvez o que aumente é a percepção disso.
    abç

    ResponderExcluir
  4. hahaha é verdade ^^
    quem sabe isso acontecendo não se erradique o preconceito né...

    ResponderExcluir
  5. Me sinto confortável com seu blog, seus textos me agregam.
    Continue com a jornada, desejo inspirações para você, abraço!

    ResponderExcluir
  6. acho que todas as pessoas tem isso dentro delas, só que algumas despertam isso outras não ! e pelo menos aqui na minha cidade hoje está mt comum, apesar de não ser bem aceitos

    ResponderExcluir
  7. Bom, moro em cidade pequena, no RS, tem 120 mil habitantes, Sou gay, minha mãe sabe, mas não comentamos sobre esse assunto, e aqui na minha cidade, onde temos a cultura do GAUCHO MACHO, somos respeitados digamos assim, ninguem meche com ninguem, vou em festa gls aqui, mas são horriveis, todos os gays se conhecem, todos ja ficaram com todos, tem alguns que não se dão com alguns, tem os ricos e bunitos que se sentem melhores que os outros, tem os de praça. . . e varios outros tipos. mas todos querem morar em porto alegre, na ilusão da vida gay melhorar, inclusive eu, eu não curto minha cidade no quisito gay, porque eu não acho alguem interessante pra me relacionar, quero ir pra porto por isso, pra estudar e trabalhar, enfim, espero que ate o fim do mês eu vá. HAHA. mas é isso, gostei muito do blog. um abraço.

    ResponderExcluir
  8. Oi N.B,
    tudo tranquilo?
    Desde que achei o seu blog (a uns dois dias) venho lendo... comecei do primeiro post e hoje terminei o ultimo. Pensei, e ainda estou pensando, muito em tudo o que você escreveu e pensa...
    Seu blog apareceu em um momento bastante importante pra mim... A umas duas, três semanas eu tenho começado a perceber q não ia dar msm pra fugir do fato de que a coisa é como é e entrei nessa fase turbulenta que, pelo visto, todos enfentam. Estava sem perspectivas e planejava um futuro de abstenção e ja aceitava o sofrimento a qual minha vida estava fadada: o de passar toda a existencia me esforcando pra provar nao ser o que sou. O armário era um fato consumado e um mundo de onde sairia jamais. Mas você me mostrou o quão movimentada essa vida pode ser e como aceitar os fatos torna a vida melhor.
    Acredito que agora me vendo com mais clareza conseguirei lidar com todos esses problemas comuns a nós com mais tranquilidade. Ja virei seu seguidor e queria muito conversar com você! Tenho muitas perguntas pra fazer, conselho pra padir e agradecer por você me mostrar como ter uma vida menos pesada e me mostrar um mundo onde talvez eu me encaixe.
    AH! Coitado de você, todos tem tanto a falar e vc acaba tendo comentários textos e esse é mais um deles... Desculpa... Mas é que achei que poderia nao conseguir conversar com vc então tentei falar um pouco de tudo o que vc fez e a importancia pra mim.
    Valeu cara!
    Um grade abraço.

    ResponderExcluir
  9. Ai, eu morro de rir, mas no fim das contas, a vida é séria, né não?! xD

    Mas o Curioso tem razão, eu só consegui encarar a homossexualidade de frente depois que eu convivi um tempo com um cara que era gay, uma pessoa incrível. Feliz, inteligente, gentil e respeitado. E eu também vi que não havia tanto preconceito (em BH) quanto eu pensava, todos tratavam ele super bem, de frente ou pelas costas. Eu vi que não havia impedimentos pra eu ser "gay e bem-sucedido" hahahah

    Eu tinha um preconceito enorme antes. Uma imagem de que gays eram coisa que não prestava. Se livrar disso foi meu processo pessoal de aceitação.

    ResponderExcluir
  10. Curioso, é isso aí rapazinho... Apoio vc tem sim, não se preocupe, só saber com quem contar... E precisando de um ombro amigo, pode me add no msn também: maverick.dom@hotmail.com (N.D. já me adicionou também, se vc achar q eu sou um doido tarado)

    ResponderExcluir
  11. As pessoas não se assumem, fato!
    Mas que em BH (estou na cidade a 36 horas) tem muuuito gay, tem. E olha que sou de Brasilia, onde tem uma quantidade imensa de assumidos ou nao. Todo mundo aqui olha mesmo, e com um olhar a gente pega no ar se é ou nao.
    O lado melhor desta cidade é que tem muito homem bonito. Fato 2! Oh trem bão!!!

    ResponderExcluir
  12. Sempre fiquei encafifado com essa pergunta.

    Mas "ser o que é", nos dias de hoje, significa estar exposto a um mundo cheio de dogmas, leis morais ou qualquer tipo de regra que siga os preceitos de uma sociedade dita normal. E viver nesse mundo é estar contra tudo que é dito há mais de 2 mil anos. É se voltar contra uma história inteira da humanidade!

    Infelizmente nunca saberemos "quanto" somos, mas com certeza são vários. 20% é pouco!

    Abs e coragem pra encarar a vida, povo!

    ResponderExcluir
  13. Sempre fiquei encafifado com essa pergunta.

    Mas "ser o que é", nos dias de hoje, significa estar exposto a um mundo cheio de dogmas, leis morais ou qualquer tipo de regra que siga os preceitos de uma sociedade dita normal. E viver nesse mundo é estar contra tudo que é dito há mais de 2 mil anos. É se voltar contra uma história inteira da humanidade!

    Infelizmente nunca saberemos "quanto" somos, mas com certeza são vários. 20% é pouco!

    Abs e coragem pra encarar a vida, povo!

    ResponderExcluir
  14. Opa, achei que a conta dava acesso ao email... Falha minha.
    Bem, há muito mais pra falar mas fico na espera de você me add N.B.
    meu email é meudesejo2@live.com
    aguardo ansioso!
    Maviaelson ja te add cara, obrigado pelo apoio!

    Parabéns pelo blog N.B.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde NB,

    Cara dizer quantos curtem com o mesmo sexo é difícil! Agora, que se nossas instituições (normas, padrões de conduta, educação, religião, entre outras...) fossem adeptas a todas as atrações físicas e sexuais, digamos que podemos inferir que todos seriam bissexuais. Hoje minha maior dificuldade para sair do armário é não conseguir alguém para me relacionar e caio na armadilha do par perfeito. Bom...como não estou achando a metade da laranja, a alma gêmea, vou levando minha vida no armário mesmo, até mesmo porque não sofro dos esteriótipos que os gays são rotulados.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  16. Embora a divisão da sexualidade humana em dois campos satisfaça a maior parte dos debates leigos, no âmbito da pesquisa devemos descartar qualquer estudo que não utilize uma classificação da sexualidade humana tão ou mais sofisticada que aquela empregada por Kinsey.

    As pesquisas de Kinsey apontaram 10% da população como exclusivamente homossexual ( nível 6 em sua escala ), e 37% como incidentalmente homossexual ( nível 5 ). Sem esses advérbios, qualquer estudo perde a sua utilidade e se torna simples objeto de manipulações políticas sem qualquer relevância à demografia da sexualidade.

    Leonard Shlain também previu um 10% de exclusivamente homossexuais em sua The Big O Lecture, disponível no Google Videos. Considero esse vídeo indispensável aos interessados nesse assunto.

    Nos termos de Kinsey, tenho comportamento assexual bi-romântico. A linguagem leiga não só não possui palavras para expressar meu comportamento como também por vezes nega a sua existência, classificando-lhe em algum lugar perdido entre os domínios da patologia e do faz-de-conta.

    Assinado: Joe Bloggs.

    ResponderExcluir
  17. Eu concordo com o seu raciocínio sobre a parada Gay de São Paulo. Se apenas naquela parada gay, naquele dia, estiveram presentes tantos gays, imagine o contigente de gays, lésbicas... que não estiveram lá, eu sou um deles inclusive.
    Robson.

    ResponderExcluir
  18. Oi to passando por aqui pela primeira vez e me sentindo muito avontade, adorei o post, e os assuntos abordados.
    Sou de campinas interior de sp e posso confirmar a vcs que o numero de gays e afins é crescente, estao em todos os lugares, realizando todo os tipos de atividades, de certo a maioria se encasula no armario, mas os que tem se jogado se mostram em grande número também.

    ResponderExcluir
  19. Na última parada que teve no meu bairro, eu pude reparar uma coisa: embora tenha apenas observado de longe (afinal tenho que manter minha condição de armarista), reparei que uns 60% dos participantes eram héteros (inclusive acompanhados de seus pares) ou curiosos que gostam de ficar num cantinho rindo. Não acho que eventos como esse tenham muita fidedignidade para mensurar o número de gays. Aliás, não acredito em nenhum método que se proponha a isso. Todavia, eu acredito que o número de bi e homos seja muito superior do que se acredita atualmente. Concordo plenamente contigo N.B. acerca da teoria da natureza bissexual humana.

    ResponderExcluir
  20. Concordo plenamente contigo N.B. acerca da teoria da natureza bissexual humana +2
    Pior é que pelas poucas experiencias q tive é assim mesmo. Por determinados.

    ResponderExcluir
  21. Pergunta: há alguns anos eu e um amigo começamos dormir na mesma cama pois eu estava ali como hospede e a casa não era grande. Depois de alguns dias ele começou a pegar no meu penis. Eu gostei e rolou uma horrível coisa... Não houve penetração dele em mim nem minha nele. Sou Virgem?

    ResponderExcluir
  22. Com tanto Gay no mundo ainda assim me sinto sozinho... e difícil ter uma vida no armário me sinto perdido e sem amigos pois os q tento não pode nem imaginar o q realmente eu gosto... não sei mais como conciliar... isso eh tão solitário... não consigo desisti d minha personalidade soh para me encaixar nas dos meus “Amigos”... isso doe muitoo...

    Cesar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cesar,
      Realmente é difícil viver uma vida de solidão em meio a tanta gente, você já parou pra pensar que de repente em meio aos seus amigos possa ter alguém com os mesmos pensamentos, e como você se esconde com medo da rejeição e de ser vítima de chacota, busque pessoas, que possa lhes trazer uma vida mais plena, onde você possa ser autêntico. Grande abraço!

      Excluir
  23. Os gays de SP estão todos em Campinas xD

    Os números parecem interessantes e imagino que possam até mostrar alguns que estejam no armário, mas já tenham mais ou menos uma ideia da sua sexualidade. Acredito que as porcentagens seriam até maiores se houvesse menos preconceito. Provavelmente, muita gente que respondeu "hétero" pode ter tendências bissexuais, mas não quer dar o braço a torcer.

    Pena que a pesquisa não tem dados para Recife.

    ResponderExcluir
  24. Ipanema (RJ) é um reduto nacional e internacionalmente conhecido como gay, isso consequentemente os (nos) atraí para lá, bom, as pessoas começam a conviver com isso, começam a se acostumar, e começam a se assumir, e por aí vai, até chegar ao ponto que a sociedade tem apenas que aceitar (ou na pior das hipóteses, recriminar). Óbviamente, não vou generalizar ipanema pelo resultado da estatística, mas acho que a influencia dela sobre os outros bairros deve contar também. Acho que isso explicaria o porquê a proporção de gays no RJ foi muito maior que nas outras capitais.

    ResponderExcluir
  25. Qual contar, não é um, mas mesmo que fosse único, direito a ser como é e nada mais!

    ResponderExcluir
  26. Gostaria de deixar aqui, o meu depoimento: Fui criado recebendo uma educação religioso protestante, e aos 16 anos, me dediquei de corpo e alma aos serviços eclesiástico, Prestei serviço militar, e continuei me dedicando a vida cristã protestante. Aos 21 anos tive meu 1º noivado como uma moça, o que não deu certo, depois mais tarde, quase noivei pela segunda vez... sofria muito... pois me sentia bem com minha noiva porem sabia que eu não estava inteiro com ela, e lutava contra o desejo homosexual que sentia e rejeitava com todas as forças. Para mim era inconcebível qualquer contato entre dois homens, pois tinha aprendido e acreditava que amor e sexo só entre homens e mulheres. Por causa do que eu acreditava, e da minha fé, fiquei onze anos em abstinência total, chorava muito e sempre procurando abrigo em outras coisas pra fugir dos desejos que sentia, minha carência de carinho e de ser amado foi aumentando cada vez mais, e me vi numa situação muito complicada e queria saber quem eu era, o por que sentia tudo aquilo que eu não queria sentir. Sim, porque acreditava que o que eu sentia é por ser virgem ainda e não ter tido contato sexual com mulher, até então só carinho, beijos, namoro sem sexo; pois conforme os ensinamentos religiosos, sexo só depois do casamento, foi quando namorei uma mulher e fui pra cama com ela, então pra minha surpresa nada acabou como eu pensava, ao contrário agora tinha a certeza que meus desejos pelo o mesmo sexo é era bem maior, foi quando fui de encontro a mim mesmo e resolvi ter uma relação com alguém igual a mim, do mesmo sexo, e ai apareceu outro problema, não sabia como encontrar... Por causa da vida que sempre vivi, não conhecia lugares de público gay, e acredite, nem que tais lugares existia. Na minha época não tinha tantas informações como hoje. Encurtando a minha história, aos 29 anos tive meu 1ª relação homosexual e aos 31 anos tudo mudou na minha vida, foi quando descobri que o amor pode existir entre homens de uma forma tão forte quanto o amor entre héteros. Então depois de muitas pesquisas em livros e observando o comportamento humano, percebi que o processo de desejo sexual, seja ele por mulher ou homem acontece de forma natural, é como cor de pele, de olho, a gente não escolhe. hoje sou um homem feliz, muitos não sabem de mim, mais não tenho mais uma preocupação com isso, sou um homem, independente de que de tipo de amor eu sinta. Eu só lamento em ter sofrido tanto, por causa dos meus preconceitos e não saber na época o que hoje sei... Espero que isso sirva pra outros que estão passando por caminhos parecidos com os que eu passei. Abraços!

    ResponderExcluir

#HTML10{background:#eee9dd ;}