Google+

domingo, 29 de maio de 2011

Divagando

    Numa conversa com um leitor pelo msn surgiu o seguinte assunto: se houvesse um tratamento para mudar a orientação sexual das pessoas, como reagiríamos? Enquanto filosofo sobre Deus, religiões, igrejas e gays, vou divagar um pouco e acho esse assunto interessante para divagarmos. Agradeço aos leitores que comentaram no post anterior =) Parece que a maioria acredita em Deus. Também criei uma enquete - à direita - para ter uma idéia melhor dessa distribuição. Enfim!
    A primeira vista, a maioria dos rapazes do armário está insatisfeita com a própria condição. O termo trancado no armário expressa exatamente a angústia de estar num ambiente sufocante, escuro e sozinho com os próprios pensamentos e desejos. Então, um tratamento aliviaria tudo isso.
    Esse era meu pensamento até um certo tempo atrás. Insatisfeito com a minha condição, eu faria esse tratamento hipotético, exatamente para evitar a fadiga, sem pensar duas vezes. Seria como escolher ter uma vida mais fácil, tradicional, não ter que enfrentar o ódio da sociedade, discussões intermináveis com os mais primitivos homofóbicos, piadas, etc etc. Hoje não mudaria mais.
    Como havia mencionado antes, tenho ficado mais confortável com a minha condição. O mundo parece um lugar melhor quando está-se bem consigo mesmo. Hoje sei que muito do que eu sou é devido ao fato de eu ser gay. Posso afirmar que eu sou a melhor pessoa que eu poderia ser, e isso pode ou não ser devido a minha orientação. Por isso eu não arriscaria ser uma pessoa diferente do que eu sou hoje. Além do mais, por ser gay, posso apreciar as belas imagens de fotografia artística masculina ;)
    Se julguei boites gay antes de conhecê-las, reconheço meu erro. Expressei minha curiosidade em conhecê-las em posts anteriores e finalmente conheci uma ontem. Bem, ela não se rotula como 'gay' mas sim 'alternativa'. Mesmo assim, foi uma surpresa muito boa. Pessoas bonitas, música excelente e ainda poder dançar Lady Gaga sem ser julgado é a melhor mistura possível ;)
     Voltando ao assunto, e quanto aos leitores? Tomariam o caminho mais fácil e fariam esse tratamento hipotético?
    Tenham um bom final de semana!

20 comentários:

  1. Fotos demais!!!

    Ah, oi! Bem, eu não comentei no último post e tb não me encaixo nessas categorias com relação a Deus. Eu acredito sim num poder maior, mas não numa figura humanóide controlando o mundo como se estivéssemos no The Sims. Acredito que a Natureza tem esse papel e ela é o que chamo de "Deus".

    Voltando a esse post, realmente é necessário passar por um tempo de aceitação, compreensão. É como se fosse uma jornada espiritual. Foi o que aconteceu comigo. Estando no armário, não posso dizer que essa jornada (principalmente exterior) esteja finalizada. De certa forma, para os não-afeminados, isso parece ainda mais difícil. A jornada interna, entretanto, já está bem avançada! E isso veio da minha aceitação/compreensão de quem eu sou e que eu não vou mudar. Hoje eu não me vejo como algo incomum ou errado; sou do jeito que sou e serei feliz assim.

    ResponderExcluir
  2. Eu passei por muito tempo de reflexão sim de aceitação um período longo de bem 7 anos não aceitando o fato de ser gay fazendo o possível e o impossível para ser homem mas chegou um momento em que chutei o pau da barraca e disse pra mim mesmo chega tenho que criar coragem e assumir quem realmente sou, não da mais pra viver um personagem e foi o que fiz hoje vivo com meu namorado a um ano e meio sem esconder nada , sai literalmente do armário mais uma vez parabéns amo esse blog e deixo o convite para visitarem o meu que estou contando toda minha vida desde a infância até o momento em que sai do armário ggatomachoblogpost.com

    ResponderExcluir
  3. Achei muito interessante o que você disse sobre "ser o que é justamente por ser gay"... Dia desses eu 'tava' pensando sobre e falei comigo mesmo: será que eu seria (quase) livre de preconceitos, cabeça fria, de bem com todos se eu NÃO fosse gay? Ach que em partes, mas não tão como sou hoje; então penso que se é pra ser um ser humano bom, prefiro ser gay com a cabeça que tenho hoje, que já sei que pelo menos tento compreender e aceitar todos os tipos de gente. Quanto à divindades... Bom, sou ateu/agnóstico, mas acredito no equilíbrio de 3 forças básicas: Universo, Natureza, Sorte/Acaso; e é a interação desses que faz tudo funcionar e aparecer, se firmar ou sumir!

    ResponderExcluir
  4. O caminho mais fácil! Por que não? Se pudesse escolher entre ser ou não gay, sem dúvida escolheria ser hetero.

    ResponderExcluir
  5. A aceitação é uma arte. Sim, uma arte.
    Natural para uns... fantasiosa para outros.
    Como toda arte, requer prática constante,esforço.
    Porém, uma coisa é aceitar uma condição física,
    uma surpresa da natureza, algo afim; outra é a afetividade. Sou gay, embora por muito tempo achei ser possível não sê-lo. O armário talvez condicione essa ideia.
    Antes de pensar em mudar, penso em ser feliz, encontrar algúem ajudará, certamente. Quero ser gay!!!

    ResponderExcluir
  6. Bem, primeiramente, parabéns pelo blog! perfeito! =)
    Sobre o post, sim eu já pensei no fato de que se tivesse algum tratamento me submeteria, mas isso no início, quando caiu a ficha de que eu sentia atração por rapazes, depois de aaaaaanos de aceitação não penso mais isso, sou completamente normal e saudável, nao preciso de tratamento! Também em relação às baladas gls tinha muito medo e preconceito, já cheguei a falar que eu NUNCA iria a uma balada dessas, maaaas fui, e quebrei a cara pq era totalmente diferente do que eu pensava antes, sem falar na liberdade que temos lá. Enfim, resumindo, eu estou muito feliz assim, ainda que no armário (e solteiro)aushaush

    ResponderExcluir
  7. Ótimo Blog, Parabéns
    Então, eu não faria um tipo de tratamento assim, até porque não encaro o homossexualismo como algo a ser "tratado". Acho que tudo é questão de aceitação, se hoje o tema é bem mais discutido na sociedade ( mesmo que seja restrito e com certo preconceito) é porque ele está em processo de aceitação. Por que então não aceitarmos essa condição, e simplesmente conviver com ela? Não digo que seja necessário se auto-afirmar para a sociedade, mas sim se aceitar. Com relação às baladas, ainda não fui em nenhuma, tenho 19 anos, e não tive muitas chances de conhecer este tipo de local. Mas acho que eu iria, ao menos pra conhecer, mesmo preferindo algo mais calmo. Parabéns
    =D

    ResponderExcluir
  8. Com toda certeza eu não mudaria nada,
    depois d tanto esforço pra hoje eu poder ser quem eu sou e continuar sendo respeitado...
    como eu jogaria todo esse esforço pro alto...

    ResponderExcluir
  9. #Josh Hohenheim:

    Eu cresci acreditando que poderia ser quem eu quisesse. Esse pensamento já me ajudou muito, mas também foi minha cruz quando vi que não haveria como deixar de ser gay. Hoje acredito que o que podemos fazer é ser o melhor possível usando o que nós temos à disposição.

    Um tratamento como vc diz, caso existisse, talvez eu tivesse feito na minha época de inaceitação. Hoje, porém, tenho orgulho de ser gay, seja isso uma coisa boa ou ruim, infelizmente não sei. Mas sei que não desejo pra ninguém as coisas por que nós gays tivemos e temos que passar.

    Se não há um tratamento, então que nos proporcionem melhor qualidade de vida, por nós e por nossos filhos - e pelos filhos deles.

    ResponderExcluir
  10. Se me fizesse essa pergunta nesse exato momento, responderia que Sim. Mas muito pelo fato de ainda estar passando por essa fase dúbia de aceitação/negação da orientação sexual (apesar de já ter 20 e poucos anos). Porém acredito que a partir do momento em que estiver bem comigo mesmo, consciente do que eu sou e de quem me tornei, não teria porque mudar. Depois de muito sofrimento, obviamente, aconselharia a todos que fossem em frente, procurar satisfazer a si mesmo e depois o outro. Só que já não sei se sou capaz de aguentar por lá sei eu quanto tempo mais. Enfim, sei que parece meio confuso, e é justamente como as coisas estão para mim.
    Mas vamos caminhar, o tempo nos dirá.
    abraços e parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  11. Leitor novo no blog
    pois bem, so dando uma respostinha à sua pergunta:
    mesmo eu estando preso a esse armário FDP e angustiante (sim, eu vivo em um), eu nao faria tal tratamento. Eu sempre tenho escolhas na vida, e sempre opto pelas mais dificeis (adoro me testar). O que seria de mim vivendo uma vida igual à de todo mundo, e nao tendo nada de diferente? eu morreria de tédio...
    como vc disse, tudo que eu sou ( ou nao sou) é devido à minha homossexualidade! portanto eu passaria longe de tal "tratamento".
    =D
    nem vou postar como anonimo, mesmo tendo muito medo de algum conhecido meu me ver aki, mas se ele me ver significa que ele está na mesma barca furada que eu, então: FODA-SE.
    abraços a todos!

    ResponderExcluir
  12. Hoje eu percebi que ainda preciso evoluir muito para não ter tanto medo e me esconder de certa forma(mesmo sendo assumido)...Eu também acho que sou a melhor pessoa q eu poderia ser e por isso, por me achar diferente da maioria, por olhar coisas por outro ponto de vista,etc...
    Eu penso que não aceitaria esse tratamento...
    por me amar e me aceitar como sou, mas como isso não existe eu não posso afirmar com certeza, porque teria muita pressão de todos os lados...
    Então a princípio eu não aceitaria, pois como diz uma música da lady gaga, "Deus não comente erros", ele me fez assim e é assim que eu devo ser...
    Bjos

    ResponderExcluir
  13. Acho que estou me apaixonando por vcs gente. Como e bom ver tantas pessoas na mesma situacao que vc e nao se sentir o unico ser diferente no mundo. Tambem nao sou totalmente assumido, mas confesso que ainda nao tenho peito para enfretar todos. E se segue mais um pensamento sobre Deus: se Ele nao quisesse gays no mundo siginifica entao que nao somos filhos dele?

    Estou adorando o blog, parabens N. B.!

    ResponderExcluir
  14. Bom, sou assumido e muito respeitado. Mas vale a pena sempre contextualizar que essa aceitação não é dada e sim conquistada, ao mesmo tempo que, na nossa sociedade não é também para todos, infelizmente. Sempre pensei que sair do armário é uma decisão íntima e não apenas uma necessidade social, então, para quem se vê impedido, por qualquer motivo que seja, umas dicas:
    - saiba de si primeiro
    - respeite a si mesmo e às pessoas com quem se relaciona
    - busque uma rede de amigos com quem possa se sentir mais à vontade
    - não faça "linha"
    - se não concordar com a postura/ comportamentos dos outros, não condene. não ajude a aumentar o ódio contra os que se assumem

    bj,

    Walter

    ResponderExcluir
  15. Assunto interessane, eu penso que quando gay se descobre e tem uma visão um tanto distorcida, ou conviveu com idéias contrárias, homofóbicas, é natural que deseje automáticamente um milagre que faça ele desistir de um caminho que ele teme.
    Mas quando ele se propoe a se olhar como uma pessoa com direito de ser o que é, isso vai tomando uma nova proporção.
    É primeiro encarar-se como se deve: como um ser humano normal.Abs!

    ResponderExcluir
  16. Walter voçe is the Best,concordo com voçe plenamente é isso aí voçe pensa,analisa,observa parabens um abraço.

    ResponderExcluir
  17. olha meu pensar pode ser diferente ou pode ate ter alguém que pense que nem eu
    de pois de cada e moção que eu passei pela minha vida eu não mudaria a minha orientação sexual porque eu já chorei muito por não ser aceito na sociedade mais ate que eu consegui o meus espaço
    dei minha cara pra bate pra mim poder ser respeitado e pode respeita fiz vários amigos e tbm fiz vários inimigos mais o maior prazer na vida e pode lutar e vencer na vida eu acredito muito em Deus sim algumas pessoas pode falar que e pecado ser gay for pecado não e só os gay que vai pro inferno mais quem decide e Deus né
    se eu padece volta deis do começa da minha vida e ter que escolher entre ser gay ou hétero e claro que eu ia escolher ser gay eu foi difícil pra mim estes anos todos na minha vida mais foi os melhores e estes dias melhores eu passei juntamente com meus amigos héteros e meus amigos gay com 10 anos eu me assumi pra alguns amigos meus hoje em dia eu tenho 20 anos então não foi ontem que eu come-sei uma luta já faz tempo e eu vou ate o fim porque eu tenho minha FAMÍLIA meus AMIGOS pra lutar junto comigo e tbm tenho meus INIMIGOS eu tenho que demostra pra eles minha vitoria

    ResponderExcluir
  18. Miei cari amici, in Italia la situazione dei gay non sembrerebbe molto diversa, ma non è vero! Da noi, purtroppo,è peggiore, perché soffriamo maggiormente a causa della presenza del Papa nella nostra terra. Bisogna combattere i preti, sono loro la causa di tutte le disgrazie dei gay e lo sono da duemila anni e, per combatterli più a fondo, bisogna rifiuare la religione che in tuta la sua esistenza non ha portato che stragi e genocidi, come quello degli Indios sudamericani. Guerra alla maledetta chiesa e a tutti suoi preti, dai quali non dovete farvi confondere. Essi parlano mellifluamente, con dolci parole atte a confondervi. Siate più astuti di loro, mandateli al diavolo, che si fottano fra loro e che lascino la gente di vivere in pace come desidera e vuole. La realtà è mutabile e, quindi, non esiste niente di assoluto e a maggior ragione non esistono né inferno né paradiso, sono tutte invenzioni dei preti per assoggettare i creduloni e la gente ignorante (non per colpa sua). Auguri. Saludos!

    ResponderExcluir
  19. Bom, eu já me aceito sem problemas. O problema são os outros. O tanto de dor de cabeça que a condição de homossexual gera pelo preconceito da sociedade realmente faz uma pessoa pensar se não seria uma boa ideia procurar essa "cura" hipotética.

    Não tenho resposta definitiva.

    ResponderExcluir
  20. Sinceramente se pudesse escolher pensando no lado social e familiar, sim preferiria ser hetero, mas olhando elo lado de realização pessoal e satisfação isso é impensável pra mim, se pudesse escolher o que eu gostaria de escolher, seria nascer em uma sociedade mais justa e igualitária sem homofobia claro !

    ResponderExcluir

#HTML10{background:#eee9dd ;}